0

Mais um capítulo da saga do lixo metropolitano: o desembargador Luiz Gonzaga da Costa Neto, da 2ª Turma de Direito Público do Tribunal de Justiça do Pará, deferiu o requerimento de liminar e concedeu a prorrogação por mais três meses do funcionamento da usina de tratamento de resíduos sólidos localizada em Marituba, a fim de evitar o caos na região metropolitana de Belém. O magistrado determinou que a empresa Guamá promova o tratamento integral do estoque do chorume, com a apresentação de cronograma, que será avaliado pela Secretaria de Estado de Meio Ambiente e Sustentabilidade.

A central em Marituba começou a operar em 2015 e desde o início começaram os problemas. Em 2019 o consórcio de empresas quis romper o contrato. Foi então celebrado um acordo para a prorrogação da deposição até 2021 quando, então, poderia haver o encerramento das atividades. Sobreveio a pandemia. De lá para cá houve incontáveis audiências e reuniões, intermediadas pelo Judiciário. As eleições municipais também foram alegadas como causa de prorrogação, por conta da troca de prefeitos nos municípios de Ananindeua, Belém e Marituba.

Mais rodadas de negociações com a aproximação do término do prazo, e, outra vez, foi prorrogada a deposição até 31 de agosto de 2023.

A verdade é que enquanto o Governo do Pará não tomar para si a responsabilidade sobre o problema, nada será resolvido. Os três prefeitos não falam a mesma língua e só o governador tem poder para que todos o escutem.

Confiram a íntegra da decisão.

Clique aqui

Noite libanesa no arraial da Sé

Anterior

Presidente da CDP em diálogo inédito com portuários

Próximo

Vocë pode gostar

Mais de Notícias

Comentários

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *