Para marcar os quinze anos de criação das Florestas Estaduais de Faro, Trombetas e Paru, da Estação Ecológica Grão-Pará e da Reserva Biológica Maicuru, na Calha Norte, hoje (4), o Instituto do Homem e Meio Ambiente da Amazônia (Imazon) lançou…

Lançamentos literários, apresentações de teatro, oficinas voltadas para as culturas pop e japonesa, arrecadação de livros, atividades pedagógicas e lúdicas direcionadas ao público infantil, entre outras ações, estão no cardápio de cultura e arte servido aos visitantes do estande da…

O procurador do Ministério Público do Trabalho Sandoval Alves da Silva tomou posse na chefia da Procuradoria Regional do Trabalho da 8ª Região para o biênio de 2021-2023 enfatizando o papel decisivo do MPT na garantia dos direitos humanos. O…

Prevaleceu o bom senso e o cuidado com as pessoas. O prefeito Edmilson Rodrigues ouviu o secretário municipal de Saúde, Maurício Bezerra, e técnicos responsáveis pela vacinação e enfrentamento à Covid-19, e cancelou os desfiles das escolas de samba, blocos…

Terra sem lei

Em Abaetetuba, a lei está de férias. Tráfico de drogas e armas, contrabando de mercadorias, assaltos com arrastão, prostituição infanto-juvenil e a impunidade reinante fazem a sociedade sangrar. As Polícias civil e militar, Ministério Público e demais órgãos responsáveis parecem estar de olhos vendados.

Na segunda-feira passada, por volta das 22 horas, o sargento PM Vilhena, bêbado, implicou com um adolescente de 17 anos, Adenildo Pereira Gonçalves, que passeava com a mulher, grávida, e uma tia, e mandou que ele corresse. Como não é bandido, o menor continuou andando normalmente. Pois o sargento atirou nele pelas costas, atingiu vários órgãos vitais, o garoto já foi operado duas vezes em Belém, na terça e ontem, e o mínimo que vai acontecer é ter que usar a bolsa de colostomia pelo resto da vida.

Sabem o que aconteceu com o sargento? Absolutamente nada. Uma viatura o levou para casa. E está à vontade para continuar aleijando e matando por aí, com a arma que deveria usar para defender a população.

No caso do soldado PM Maués, que atirou no carro do meu irmão no dia 08, só ontem foi feita a perícia no veículo. Apesar de ter marcado hora, meu irmão teve que ir quatro vezes buscar o perito, depois levá-lo até uma casa de produtos fotográficos e pagar a impressão das fotos. No lugar, o tal PM estava lá e, como meu irmão não o conhece, passou ao seu lado e só depois que saíram o próprio perito contou a ele que chegou a ficar com medo que o PM o agredisse, tal o ódio com que olhava para meu irmão, que mais uma vez correu perigo de vida porque o soldado continua livre, leve e solto e com uma arma na mão.

Tem mais: a delegada Andressa, superintendente regional do Baixo Tocantins, disse que só envia o BO e os demais documentos nos autos do inquérito policial civil à Corregedoria da PM se a corporação pedir oficialmente. Caso contrário, meu irmão terá que ir até o quartel na Vila dos Cabanos, em Barcarena, para fazer outro registro de ocorrência para fins de abertura de inquérito policial militar. É o fim!

Será preciso acontecer um banho de sangue em Abaetetuba para alguém tomar providências?

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *