O procurador do Ministério Público do Trabalho Sandoval Alves da Silva tomou posse na chefia da Procuradoria Regional do Trabalho da 8ª Região para o biênio de 2021-2023 enfatizando o papel decisivo do MPT na garantia dos direitos humanos. O…

Prevaleceu o bom senso e o cuidado com as pessoas. O prefeito Edmilson Rodrigues ouviu o secretário municipal de Saúde, Maurício Bezerra, e técnicos responsáveis pela vacinação e enfrentamento à Covid-19, e cancelou os desfiles das escolas de samba, blocos…

Começou hoje (27) às 8h e segue até às 17h a votação nas prévias do PSDB para escolher seu candidato à Presidência da República. O resultado, se tudo correr bem, deve ser anunciado às 20h. O partido passou a semana…

Em uma aula prática da Faculdade de Medicina da Unifamaz, ontem, o professor Marcus Vinícius Henriques de Brito, visivelmente impaciente com a aluna que deveria demonstrar intubação em um boneco, questionou a falta de lubrificação prévia do paciente, ao que…

Terminal vai ter que funcionar

Por três vezes o procurador da República Alan Rogério Mansur Silva pediu
explicações acerca do abandono do terminal hidroviário metropolitano de Belém. Nem tchuns de resposta. Ninguém deu bola. Agora, o Governo do Estado, a Setran
e a Seop receberam notificação do Ministério Público Federal, dando prazo máximo
de 60 dias para que o espaço entre em funcionamento. 
Inaugurado em dezembro de 2010, o terminal recebeu R$ 7,5 milhões em
recursos públicos e não há pendências na Caixa Econômica Federal, na Marinha ou
na Secretaria de Estado de Meio Ambiente que impeçam seu uso, mas foi
abandonado desde que o atual governador assumiu o mandato.
O MPF destaca
que a utilização do terminal é extremamente urgente tendo em vista a total
precariedade dos outros embarcadouros fluviais da capital, sem a menor
estrutura, com áreas de embarque e desembarque improvisadas, na sua maioria em
palafitas, colocando em risco toda a população usuária, principalmente idosos,
crianças e mães com bebês de colo.
Não foi verificado motivo razoável que
justifique a não utilização da obra. A discricionariedade administrativa
encontra limites na razoabilidade, tendo em vista que somente pode o
administrador deixar de dar a uma obra pública construída a função a que se
destinou se estiver amparado em um motivo extremante relevante a ponto de
justificar que, embora se tenha dispendido grande quantidade de recursos
públicos, o uso da obra possa gerar prejuízo à vida, saúde, segurança,
dignidade ou outro bem jurídico que se sobreleve ao patrimônio público
”,
ressalta o procurador Alan Mansur. 

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *