Patrick Luis Cruz de Sousa, candidato a presidente do Conselho Regional de Farmácia do Pará pela Chapa 1 e atual conselheiro do CRF-PA, discursa na campanha em favor das mulheres, que representam 70% da categoria, mas no início deste ano…

A 27ª Unidade de Conservação do Estado do Pará abrange os municípios de Jacareacanga e Novo Progresso, no sudoeste paraense. O Decreto nº 1.944/2021 foi assinado pelo governador Helder Barbalho na quinta-feira, 21, e publicado ontem (22) no Diário Oficial…

O Atlas da Dívida dos Estados Brasileiros, lançado no Fórum Internacional Tributário pela Federação Nacional do Fisco Estadual e Distrital, aponta que a dívida ativa das empresas com os entes federados soma estratosféricos R$ 896,2 bilhões, significando 13,18% do PIB…

Ao abrir oficialmente o Forma Alepa/Elepa, o presidente da Assembleia Legislativa do Pará, deputado Chicão, destacou a importância do trabalho que vem sendo executado pela Escola do Legislativo, treinando, qualificando e atualizando gestores, vereadores e servidores públicos, que dessa forma…

Tela “A Cabanagem” restaurada pela Alepa

Era um conturbado 3 de outubro de 1834 quando, extintos os Conselhos de Províncias pelo Ato Adicional de 1834, aprovado pela Lei nº. 16 de 12 de agosto, foi instalada no Pará a primeira Assembleia Provincial, no Convento das Mercês. Eclodia naquele ano a Cabanagem, revolta popular contra as péssimas condições de vida.

A primeira legislatura da Assembleia Provincial na Província do Pará contou com 28 membros e Ângelo Custódio Corrêa foi o deputado mais votado, pelo que cabia-lhe, também, o cargo de Vice-Presidente da Província. A Cabanagem não permitiu que os deputados eleitos tomassem posse, pelo que a Assembleia Legislativa só pôde começar suas atividades em 1838. A primeira sessão foi realizada no dia 2 de março, tendo feito o discurso de abertura o então presidente da província, Marechal Francisco José de Souza Soares D’ Andrea. Como previa a Constituição da época, os trabalhos da Assembleia duraram dois meses, até 15 de maio de 1838.

Não por acaso, como se percebe, o prédio sede da Alepa, no coração da Cidade Velha, em Belém, recebeu a denominação Palácio Cabanagem. Todo o entorno foi palco sangrento do movimento cabano. Nas escadarias do Palácio Lauro Sodré, antigo Palácio do Governo, hoje Museu do Estado, o governador da época foi assassinado pelos cabanos.

Em 1974, quando era presidente da Alepa, o então deputado Gerson Peres pediu ao artista plástico Benedicto Mello – um dos maiores expoentes do Pará – que criasse um painel para ser instalado no plenário Newton Miranda e assim eternizar os trágicos acontecimentos que antecederam e durante a Cabanagem, expressão máxima da história parauara, em um local no qual atua a representação política popular. Benedicto Mello pintou, então, o quadro de inestimável valor histórico e artístico intitulado “Cabanagem”.

Utilizando a pesquisa histórica de um conjunto de intelectuais paraenses, entre os quais Augusto Meira, De Campos Ribeiro e Carlos Rocque, Benedicto Melo conseguiu contribuição da maior importância para chegar à concepção final do quadro, que ganhou impressionante realismo. No primeiro plano, ao centro da obra, aparece a figura de um oficial, de costas. Trata-se do mercenário inglês John Grenfell, contratado para vir a Belém submeter os revoltosos, e que aplicou um blefe afirmando que havia uma esquadra fundeada em Salinópolis, pronta para invadir a cidade, o que seria uma carnificina. Na parte frontal do quadro, o revolucionário Angelim é representado deitado, já morto. No lado esquerdo, um dos líderes cabanos, o polêmico cônego Batista Campos – ativista político, jornalista e advogado – é visto amarrado, como bucha de canhão (não foi executado por interferência de terceiros e receio de recrudescer a revolta. Grenfell, após submeter os líderes revoltosos, colocou cerca de trezentas pessoas dentro do brigue “Palhaço” e jogou cal em cima, todos morreram sufocados e no dia seguinte boiaram os corpos na baía de Guajará. Na obra de Benedicto Mello, a embarcação e as pessoas torturadas são retratadas, pedindo clemência, em vão. Há um fundo escuro, é o momento em que estão no porão do navio. Na parte posterior do painel, a igreja das Mercês, onde era o Trem de Guerra e muita gente morreu, surge imponente. Pode-se ver um incêndio, havia um amontoado de pessoas mortas. Mais em cima, as figuras dos vitoriosos da Cabanagem largando os grilhões que os escravizavam. E as bandeiras representando o fim do trágico confronto.

O artista plástico e restaurador Sérgio Mello, filho do autor da tela e responsável por seu restauro, conta que para a pintura foi utilizada uma resina acrílica sobre tela de linho, e na ocasião em que foi criada esse material só existia no Brasil em São Paulo. Todo o trabalho de restauro foi feito com extremo cuidado e guardou as características da tinta e policromia original.

Foram noventa dias de um serviço delicado e minucioso. Toda a tela – principalmente seu lado esquerdo – estava deteriorada. O quadro estava há muitos anos no antigo plenário da Alepa, que virou o auditório João Batista, em uma parede na qual um vazamento do banheiro do gabinete instalado no andar de cima escorria durante anos. O difícil trabalho de restauro e recomposição começou em abril de 2018, mas foi interrompido logo no início de 2019 e só este ano foi retomado, quando o presidente da Casa, deputado Chicão, teve a sensibilidade de preservar e salvaguardar esse patrimônio histórico, artístico e cultural, que marca aquela que foi a principal referência histórica do Estado do Pará.

“Foi uma verdadeira demonstração cívica do presidente Chicão, de respeito à cultura, de consciência do valor do patrimônio histórico. Propago seu ato como exemplar de um gestor compromissado com o resgate e ressignificação do valiosíssimo acervo do Poder Legislativo”, salientou Sérgio Mello, revelando ainda que, para a execução do painel, Benedicto Mello usou como modelos os próprios filhos, que eram sete. Sérgio posou para seu pai pintar o cônego Batista Campos. De autoria do grande Benedicto Mello há mais vinte e sete painéis em varias técnicas, como pedra, concreto e ferro, além de esculturas, espalhados em vários órgãos públicos estaduais em Belém do Pará.

Confiram nas fotos a tela e o estado em que ela estava antes do restauro.

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *