A Prefeitura de Belém está convidando os moradores da Cidade Velha à Consulta Pública sobre a reforma e revitalização do prédio ao lado da Igreja da Sé, onde por muito tempo funcionou a Fundação Cultural do Município de Belém (Fumbel).…

As eleições de 2022 coincidem com o bicentenário da Independência e os 90 anos de conquista do direito do voto feminino, ocorrida em 24 de fevereiro de 1932. Durante todo o Império, as brasileiras não puderam votar e somente 43…

O Ecomuseu da Amazônia, da Fundação Escola Bosque (Funbosque) promoveu no domingo, 25, na Ilha de Cotijuba, o roteiro patrimonial, pelo encerramento da 16ª Primavera dos Museus. Os visitantes conheceram o pólo do Ecomuseu, a história de Cotijuba, que passa…

A prefeitura de Portel, em parceria com a Secretaria de Estado de Desenvolvimento Agropecuário e da Pesca, lançou na sexta-feira passada (23) o projeto Marajó Sustentável, aliado ao Programa de Desenvolvimento da Cadeia Produtiva da Seringueira no Estado do Pará…

Tarcísio, Rodrigo Garcia, Haddad e Marina repudiam ataque a jornalista

A violência contra jornalistas continua em escalada impressionante no Brasil, na reta final da campanha eleitoral. Felizmente lideranças representativas vêm se posicionando contra essas investidas. O candidato a governador de São Paulo e ex-ministro Tarcísio de Freitas (Republicanos) criticou publicamente as agressões verbais proferidas pelo correligionário e deputado estadual Douglas Garcia contra a jornalista Vera Magalhães ontem à noite, após o debate realizado pela TV Cultura, Folha de São Paulo e UOL entre os candidatos ao governo de SP. Douglas, que é candidato à Câmara dos Deputados, gritou em alto e bom som, filmando Vera com seu celular, que ela é “uma vergonha para o jornalismo”. Houve grande tumulto. Um segurança procurava conter o parlamentar para que ele não encostasse em Vera. O jornalista Leão Serva, mediador do debate, tomou e arremessou longe o celular do deputado, que, aos berros, questionou: “Por que você fez isso?” e se retirou gritando “jornazistas”.

“Lamento profundamente e repudio veementemente a agressão sofrida pela jornalista Vera Magalhães enquanto exercia sua função de jornalista durante o debate de hoje. Essa é uma atitude incompatível com a democracia e não condiz com o que defendemos em relação ao trabalho da imprensa”, postou Tarcísio no Twitter e ligou para a jornalista. “Eu telefonei e pedi desculpas por esse cara [Douglas Garcia] estar lá com uma credencial cedida pela minha campanha. Eu mal conheço, nem tenho contato com esse idiota”, afirmou Tarcísio.

Vera ficou abalada, foi escoltada por seguranças até a saída e disse que registrará boletim de ocorrência por ameaça. “Eu estava sentada na primeira fileira vendo meu celular. Há centenas de testemunhas. Ele usou o convite do estafe de Tarcísio de Freitas no debate apenas para vir mentir, me acossar e ameaçar”, contou.

O governador Rodrigo Garcia (PSDB) manifestou em rede social “total repúdio ao ataque covarde que a jornalista sofreu” e disse que ele partiu “de um sujeito que não representa os valores democráticos nem o povo de São Paulo”. O candidato Fernando Haddad (PT) também repudiou a atitude de Douglas, que chamou de ataque covarde. Para o petista, foi uma “clara tentativa de ataque à liberdade de imprensa”. A ex-ministra do Meio Ambiente Marina Silva (Rede), candidata a deputada federal, afirmou que a escalada das agressões contra Vera é inadmissível.

Em vídeo publicado nas redes sociais nesta quarta (14), Douglas Garcia disse que precisa pedir desculpas a Tarcísio de Freitas, não para a jornalista. “Se é para eu pedir desculpas para alguém, não é para jornalista nenhum. Eu tenho que pedir desculpas para o Tarcísio”, afirmou, garantindo que também registrou BO contra a jornalista.

O deputado acusa falsamente Vera Magalhães de receber R$ 500 mil anuais de salário da TV Cultura, mesmo a emissora já tendo divulgado o valor de R$ 22 mil mensais e até o contracheque dela. Em vídeo, o jornalista Leão Serva, colunista da Folha, professor de Ética no Jornalismo na ESPM e diretor de Jornalismo da TV Cultura – Fundação Padre Anchieta, disse que tomou o celular porque o deputado Garcia “já tem uma prática de perseguição” e assédio em relação a Vera Magalhães. “Ele veio aqui visivelmente com a intenção de ‘lacrar’. A única solução possível naquele momento era afastá-lo da ‘lacração’. Douglas sentou ao lado de Vera e, gravando com seu celular, perguntou se ela recebeu dinheiro para falar mal do governo Bolsonaro. Vera Magalhães é apresentadora do programa Roda Viva, da TV Cultura de São Paulo, colunista do jornal O Globo e comentarista da CBN. Douglas Garcia criou em 2018 um bloco de carnaval chamado ‘Os Porões do DOPS’, para “homenagear” o torturador Ustra e o órgão de repressão, já extinto, que torturou e assassinou, entre outros, Wladimir Herzog, diretor de Jornalismo da TV Cultura.

Como a veia humorística do brasileiro é ímpar, o episódio já gerou memes no território livre da internet.

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *