A empresa de ônibus Belém-Rio, que faz a linha para o distrito de Outeiro – Ilha de Caratateua, em Belém, aparentemente está falida e reduziu pela metade a sua frota, causando enorme sofrimento aos usuários do transporte coletivo. O serviço,…

A Cosanpa abriu nada menos que seiscentos buracos imensos nos bairros mais movimentados de Belém, infernizando a vida de todo mundo com engarrafamentos e causando graves riscos de acidentes, principalmente porque chove sempre, e quando as ruas alagam os buracos…

O Procurador-Geral de Justiça César Mattar Jr. inaugurou nesta quinta-feira, 16, o Núcleo Eleitoral do Ministério Público do Estado do Pará, que vai funcionar na sede das Promotorias de Justiça de Icoaraci, distrito de Belém. O coordenador será o promotor…

A desembargadora Maria de Nazaré Saavedra Guimarães, que se destaca pelo belo trabalho que desenvolve à frente da Comissão de Ações Judiciais em Direitos Humanos e Repercussão Social do Tribunal de Justiça do Estado do Pará, e que já coordenou…

TAM, Infraero e ANAC têm que ser punidas


Depois que o procurador da República Bruno Valente, do MPF-PA, foi ontem ao Aeroporto de Belém apurar a responsabilidade pelos abusos cometidos contra os passageiros da TAM, ontem à noite a empresa divulgou nota informando que voltou a operar às 22h, prometendo que os passageiros cujos voos foram cancelados e reprogramados serão gradualmente atendidos, e que a situação seria normalizada até o meio-dia de hoje e que, que caso os clientes prefiram postergar a viagem, estarão isentos da cobrança de taxa de remarcação ou da diferença de tarifa no prazo de 30 dias a partir da data do voo original. De acordo com informações da Infraero de Belém a situação dos voos da TAM já começa a ser normalizada. 

Estive por volta da meia-noite em Val-de-Cães para embarcar minha filha – felizmente em outra companhia aérea – e a fila na TAM era quilométrica, além do que os passageiros, desesperados, tratavam cada um por si e Deus por todos de conseguir uma vaga em outros voos. O que prova que a TAM e a Infraero não estavam garantindo o prometido.

A explicação da TAM merece uma investigação e punição exemplar de quem deu causa a toda esse transtorno. A empresa alega que os voos foram desviados em função de um problema na pista. Que a Infraero fez um serviço de recapagem e, depois disso, um avião da TAM derrapou, há pouco mais de 15 dias. E que, após o episódio, pensando na segurança, a empresa decidiu não fazer pousos em Belém quando chover ou quando a pista estiver molhada. Segundo o comunicado a decisão da companhia retomar os voos foi tomada depois que a Infraero apresentou laudo técnico em que relatou as melhorias realizadas na pista do terminal. Paralelamente, houve a suspensão do documento expedido pelo Departamento de Controle do Espaço Aéreo (DECEA) que alertava para as condições escorregadias da pista. 

É muito grave o que está acontecendo. Se a TAM não mente, então a Infraero está colocando em risco as vidas de todos quantos transitam em Val-de-Cães. Cadê a ANAC, que sequer deu as caras, em meio a todo esse drama? Está de férias? É preciso que o MPF apure se de fato todos os itens de segurança foram observados no recapeamento da pista de pouso e decolagem. E que sejam aplicadas pesadas multas aos responsáveis pelos cancelamentos dos voos e falta de assistência aos usuários do transporte aéreo. Afinal de contas, centenas de pessoas ficaram retidas em outras cidades e até dentro de aeronaves, sem comida, sem providências e sem informações, sofrendo aflição indizível, durante muitas horas. Houve dano moral coletivo. A TAM não pode simplesmente lavar as mãos e sair dessa como se inocente fosse. A Infraero também. A própria ANAC deveria ser punida por sua inércia e omissão.

Assistam aos dois vídeos aí em cima. Na quinta-feira (9), às 18h, o voo da TAM era para durar apenas três horas e meia. Mas, quando ia chegando em Belém, o comandante avisou que não poderia pousar porque a pista estava molhada e, embora o terminal estivesse oficialmente liberado pela Infraero para pouso e decolagem, seguiu para São Luís, no Maranhão. Lá, os passageiros ficaram duas horas sem poder desembarcar. Não havia sequer escada para descer do avião. O aeroporto estava superlotado. Três voos da TAM que iriam para Belém foram desviados para lá. Não tinha lugar para sentar. Passageiros passaram a madrugada em busca de informações. Só às 5h de sexta (10), a TAM  se dispôs a anunciar que todos seguiriam para Belém doze horas depois. Às 17h, o avião seguiu, finalmente, de São Luís para Belém. Mas, após anunciar que o pouso estava autorizado e iniciar o procedimento de descida, o comandante arremeteu a aeronave, para desespero geral. Muita gente idosa passou mal. Crianças choravam. O piloto disse que a pista estava molhada. A aeronave, então, foi desviada para Macapá. Lá, a maioria dos passageiros desembarcou. Revoltadas, cerca de 20 pessoas ficaram no avião cobrando explicações da tripulação. Policiais federais foram acionados e tentaram acalmar os ânimos. Um dos agentes entrou na cabine para conversar com o comandante. Depois de muita discussão, o avião seguiu para Belém na noite de sexta-feira e pousou por volta de meia noite. 


IMPORTANTE: O MPF está investigando se houve irregularidade no
atendimento a consumidores durante a suspensão de voos da TAM no Aeroporto
Internacional de Belém neste último final de semana. Entre outros pontos, serão
avaliadas questões como o cumprimento de normas que preveem alimentação,
acomodação e outros itens aos passageiros, bem como a estrutura oferecida pela
empresa para organizar o atendimento aos passageiros. Os prejudicados devem registrar
denúncia
aqui e conferir os direitos em
casos de atrasos, cancelamentos ou preterição de embarques
aqui.

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *