Um pastor de igreja evangélica localizada no município de Breves, no arquipélago do Marajó, foi condenado a 39 anos de prisão por estupro de vulnerável, exploração sexual e por possuir e armazenar pornografia infantil, com o agravante de que ele…

Acionado pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional, o Ministério Público Federal recomendou ao prefeito de Belém, Edmilson Rodrigues, medidas efetivas para que os responsáveis pelo edifício conhecido como Bloco B da Assembleia Paraense assegurem a manutenção emergencial do…

Na quarta-feira passada (22), operários e servidores ligados à execução da reforma e readequação do Palácio Cabanagem almoçaram com o presidente da Assembleia Legislativa, deputado Chicão, que preferiu essa forma de reunião para agradecer pelo compromisso com o trabalho e…

Nunca reclamem de barreiras de fiscalização no trânsito. Graças aos agentes do Detran-PA um homem vítima de sequestro foi resgatado ileso ontem à noite, por volta das 23h, na rodovia BR-316. Conforme relato do coordenador de Operações do Detran-PA, Ivan…

Talentos do Pará

O concerto de sábado no Theatro da Paz encantou magistrados do mundo inteiro que vieram a Belém participar do 5º Fórum Mundial de Juízes.

O Quarteto Maestoso – Hélio Saveney (1º violino), Polyana Loureiro (2º violino), Rodrigo Santana (viola) e Arthur Alves (violoncelo), todos paraenses – executou músicas de três gerações da família Fonseca, compostas por José Agostinho da Fonseca (1886-1945), Wilson Fonseca, o maestro Isoca (1912-2002) e Vicente Fonseca (1948-), no período de 1912 a 2009, com arranjos do magistrado trabalhista e compositor Vicente Malheiros da Fonseca.

As últimas três músicas do programa contaram com a participação especial de Vicente Fonseca, ao piano: “Chuane” (maxixe, de José Agostinho da Fonseca), “Hino da Justiça do Trabalho” (Vicente Fonseca) e “Um Poema de Amor” (bolero, de Wilson Fonseca). Todas muito aplaudidas, principalmente a “Ave Maria’ (José Agostinho da Fonseca), o chorinho “Irurá” (Vicente Fonseca), executado quase que integralmente em pizzicato (cordas beliscadas, sem o uso do arco dos instrumentos de cordas), o “Hino da Justiça do Trabalho” e “Um Poema de Amor“, que encerrou com chave de ouro a noite de gala e foi aplaudido de pé, demoradamente.

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *