Em uma aula prática da Faculdade de Medicina da Unifamaz, ontem, o professor Marcus Vinícius Henriques de Brito, visivelmente impaciente com a aluna que deveria demonstrar intubação em um boneco, questionou a falta de lubrificação prévia do paciente, ao que…

Na quarta-feira passada, dia 24, a audiência pública na Comissão de Direitos Humanos e Minorias da Câmara Federal, em Brasília, era para discutir a gravíssima situação na Terra Indígena Yanomami, mas o clima de enfrentamento entre bolsonaristas e lulistas inviabilizou…

O prefeito Edmilson Rodrigues anunciou que Belém tem condições de fazer o Carnaval 2022, após reunião hoje (25) à tarde com representantes das escolas de samba e blocos carnavalescos. Ele acredita que com mais de 80% de pessoas vacinadas contra…

Em 17 de dezembro de 1999, a Assembleia Geral das Nações Unidas designou o 25 de novembro Dia Internacional da Eliminação da Violência contra a Mulher. Passados 22 anos, os dados do 14° Anuário Brasileiro de Segurança Pública são aterrorizantes: por…

Suspeito de balear agente da PF se entrega à Justiça


A Comissão de Direitos Humanos da OAB-PA apresentou hoje à tarde Samuel Felipe Dias Rocha, que estava com prisão preventiva decretada pelo juiz federal Antônio Carlos Almeida Campelo desde a semana passada, por ser um dos envolvidos no baleamento do agente da Polícia Federal Luís Márcio Alvarenga, 36 anos, na noite de 1º de junho passado, quando chegava ao prédio onde mora no bairro de Batista Campos, em Belém.
Anteontem(07), Campelo manteve a preventiva de Rafael de Sousa Barbosa, que participou do crime. Um terceiro envolvido ainda está foragido. O agente Luís Márcio Alvarenga, atingido na cabeça por tiros, luta pela vida na Unidade de Terapia Intensiva (UTI) de um hospital de Belém.  O advogado Leonardo Carvalho Barra contou que o próprio Samuel procurou a OAB-PA para se entregar, dizendo temer um atentado à sua vida e relatou, inclusive, que homens encapuzados já o teriam procurado. 

“Isto aqui ainda não é nem mesmo uma audiência de custódia, que eu ainda vou marcar. Agora, o investigado será conduzido à Polícia Federal e começará a responder ao inquérito. Se ficar demonstrada a sua participação no episódio, aí sim, ele votará à 4ª Vara da Justiça Federal em uma outra oportunidade, já na condição de réu, para participar da instrução processual”, disse o magistrado. O inquérito deverá ser concluído em até 15 dias, prorrogáveis por igual prazo.

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *