A Secretaria de Estado da Fazenda do Pará publicou extrato de dispensa de licitação para contratar a Prodepa, por R$800.427,88, a fim de desenvolver novo site da Transparência do Governo do Pará, com criação de nova arquitetura de informação, navegação…

Andar de motocicleta proporciona histórias, experiências e adrenalina. Motos oferecem facilidade de locomoção rápida e de conseguir estacionamento. Mas a liberdade é, sem dúvida, o motivo número 1 de todo motociclista. Sentir o vento, o clima, fazer parte da paisagem. Este é…

Os fatos que ensejaram a prisão preventiva do SGT Gildson dos Santos Soares e o afastamento da Coronel QOPM/PA Andréa Keyla Leal Rocha do Comando de Policiamento Ambiental da Polícia Militar do Pará descortinaram uma situação gravíssima e surreal dentro…

Barcos regionais a motor, veleiros, vigilengas, rabetas, bajaras, canoas ubás, igarités, catraias, botes fazem parte da memória afetiva, produtiva e econômica parauara, navegando pelo oceano Atlântico, baías, rios que mais parecem mares, lagos, igarapés, furos, estreitos, igapós e campos alagados…

STF mantém decisão contra promotor do Pará

O ministro Dias Toffoli, do Supremo Tribunal Federal, manteve decisão do Conselho Nacional do Ministério Público que determinou ajuizamento de ação civil, pelo procurador- geral de justiça do Pará, contra o promotor de Justiça Edmilson Barbosa Leray, que teria exigido vantagens indevidas à prefeitura de Vitória do Xingu (PA),onde atuava. Por conta isso, foram imputadas a ele infrações disciplinares de lesão aos cofres públicos e ato de improbidade administrativa. 

Edmilson, que já se aposentou, impetrou o mandado de segurança nº 34582 junto ao STF, a fim de anular a medida do CNMP, que pretende cassar sua aposentadoria. Alegou cerceamento de defesa, mas o ministro Dias Toffoli entendeu ter sido observado o devido processo legal em sindicância e processo administrativo disciplinar. Apesar de os advogados do promotor sustentarem que a sindicância não contou com o contraditório porque eles não foram intimados, o ministro ressaltou que em todas as oitivas na fase de instrução a defesa compareceu espontaneamente aos atos e acompanhou as diligências. 

O relator considerou ainda que a superação pelo CNMP da alegação de prescrição penal ocorreu quando o órgão reconheceu o termo inicial da contagem do prazo prescricional de cinco anos (contagem sob as normas administrativas), a partir da data da instauração da reclamação disciplinar pela Corregedoria Nacional do MP. 

Leiam a íntegra da decisão no MS aqui.

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *