A Prefeitura de Belém está convidando os moradores da Cidade Velha à Consulta Pública sobre a reforma e revitalização do prédio ao lado da Igreja da Sé, onde por muito tempo funcionou a Fundação Cultural do Município de Belém (Fumbel).…

As eleições de 2022 coincidem com o bicentenário da Independência e os 90 anos de conquista do direito do voto feminino, ocorrida em 24 de fevereiro de 1932. Durante todo o Império, as brasileiras não puderam votar e somente 43…

O Ecomuseu da Amazônia, da Fundação Escola Bosque (Funbosque) promoveu no domingo, 25, na Ilha de Cotijuba, o roteiro patrimonial, pelo encerramento da 16ª Primavera dos Museus. Os visitantes conheceram o pólo do Ecomuseu, a história de Cotijuba, que passa…

A prefeitura de Portel, em parceria com a Secretaria de Estado de Desenvolvimento Agropecuário e da Pesca, lançou na sexta-feira passada (23) o projeto Marajó Sustentável, aliado ao Programa de Desenvolvimento da Cadeia Produtiva da Seringueira no Estado do Pará…

STF e CNJ querem PAD contra desembargadora

O ministro Gilmar Mendes, do STF, manteve decisão do Conselho Nacional de Justiça que determinou a instauração de Processo Administrativo Disciplinar para apurar faltas funcionais atribuídas a Ângela Maria Catão Alves, desembargadora do Tribunal Regional Federal da 1ª Região.

O caso é que, em 2008, a magistrada foi citada na Operação Pasárgada, da Polícia Federal, por envolvimento na liberação indevida de parcelas do Fundo de Participação dos Municípios retidas pelo INSS, quando ela era titular da 11ª Vara Federal de Belo Horizonte (MG). O corregedor-geral da Justiça Federal da 1ª Região instaurou procedimento avulso para apurar descumprimento de deveres funcionais. Em 2009, a Corte Especial Administrativa do TRF-1 determinou o arquivamento, com a conclusão de que não teria sido configurado nenhum aspecto ilegal ou de natureza disciplinar. 

Mas o CNJ acolheu pedido de revisão disciplinar apresentado pelo Ministério Público Federal, entendendo que o julgamento teria sido contrário às evidências dos autos, e determinou a instauração do PAD.
Em exame preliminar, em dezembro de 2010, Gilmar Mendes deferiu cautelar e mandou suspender o PAD. Só que agora, ao analisar o mérito, o ministro observou que o acórdão do CNJ aponta condutas elencadas no procedimento avulso que indicam possível descumprimento de deveres funcionais, entre as quais uma festa no gabinete da magistrada patrocinada por um dos beneficiados pela liberação de parcelas do FPM, a antecipação de tutela em favor de municípios fora da jurisdição da 11ª Vara Federal e depósitos sem justificativa na conta corrente da desembargadora.  

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *