Vanete Oliveira, 28 anos, mãe de cinco filhos, vive em Portel, município do arquipélago do Marajó(PA). Ela sofre há catorze anos dores atrozes além do desconforto, trauma e todo tipo de dor física e psicológica, por conta de um tumor…

As Diretorias de Combate à Corrupção e de Polícia do Interior da Polícia Civil do Pará prenderam hoje (28), no Distrito Federal, durante a Operação "Litania”, uma falsa empresária e sócios-proprietários que utilizavam empresa de fachada como instituição financeira para…

A Secretaria de Estado da Fazenda do Pará publicou extrato de dispensa de licitação para contratar a Prodepa, por R$800.427,88, a fim de desenvolver novo site da Transparência do Governo do Pará, com criação de nova arquitetura de informação, navegação…

Andar de motocicleta proporciona histórias, experiências e adrenalina. Motos oferecem facilidade de locomoção rápida e de conseguir estacionamento. Mas a liberdade é, sem dúvida, o motivo número 1 de todo motociclista. Sentir o vento, o clima, fazer parte da paisagem. Este é…

STF beneficia mandante

O ministro Celso de Mello, do STF, concedeu hoje liminar ao fazendeiro D.J.B.N, acusado de mandar matar o sindicalista José Dutra da Costa, o Dezinho, em novembro de 2000, na porta de sua casa, em Rondon do Pará. O executor do assassinato foi Wellington de Jesus Silva, preso em flagrante após ser detido por populares, já julgado e condenado. Ygoismar Mariano da Silva e Rogério de Oliveira Dias, acusados de intermediação, estão foragidos.


A decisão suspende, até o julgamento final do Habeas Corpus 103867, a ordem de prisão e a decisão de pronúncia (que determina julgamento por júri popular) do TJE-PA, bem como o andamento de ação penal em curso na Vara Criminal da Comarca de Rondon.


O acórdão do TJE-PA afirma que estão presentes os requisitos necessários: há provas da materialidade do crime e indícios suficientes de que o réu tenha sido o autor intelectual do homicídio triplamente qualificado (mediante pagamento, por motivo fútil e sob emboscada), conforme provas testemunhais e periciais. O TJ determinou inclusive a prisão preventiva por considerar que, em liberdade, poderia prejudicar o andamento da instrução criminal.

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *