Começou hoje (27) às 8h e segue até às 17h a votação nas prévias do PSDB para escolher seu candidato à Presidência da República. O resultado, se tudo correr bem, deve ser anunciado às 20h. O partido passou a semana…

Em uma aula prática da Faculdade de Medicina da Unifamaz, ontem, o professor Marcus Vinícius Henriques de Brito, visivelmente impaciente com a aluna que deveria demonstrar intubação em um boneco, questionou a falta de lubrificação prévia do paciente, ao que…

Na quarta-feira passada, dia 24, a audiência pública na Comissão de Direitos Humanos e Minorias da Câmara Federal, em Brasília, era para discutir a gravíssima situação na Terra Indígena Yanomami, mas o clima de enfrentamento entre bolsonaristas e lulistas inviabilizou…

O prefeito Edmilson Rodrigues anunciou que Belém tem condições de fazer o Carnaval 2022, após reunião hoje (25) à tarde com representantes das escolas de samba e blocos carnavalescos. Ele acredita que com mais de 80% de pessoas vacinadas contra…

SOS Educação!

A situação dos professores da rede pública estadual é de clamar aos céus. Ensinam em escolas sucateadas; ganham salários indignos da alta responsabilidade que têm – há uma Lei e decisão do STF determinando o pagamento do piso –; nas áreas ribeirinhas passam todo tipo de privação – muitas vezes nem banheiros há nas “escolas” e têm que chegar aos locais em canoas e pular na água – e ainda por cima os que trabalham no SOME estão desabrigados por falta de pagamento das precárias residências alugadas nas ilhas pela Seduc. Para piorar a situação, a violência nas escolas é alarmante, com vários casos de lesões corporais graves e até homicídios em plena sala de aula.
É preciso que a Educação seja tratada como política de Estado e não de governo. Que professores e alunos sejam contemplados com ambiente digno que permita mudar o atual quadro do ensino público, de qualidade muito baixa.
Em muitas unidades da Seduc as aulas só começaram no segundo semestre.
E os alunos? Aparecem como matriculados nas estatísticas mas na verdade estão excluídos da escola. Algum político está com seu filho na rede pública? Esta é a maior prova de que há distância entre discurso e gesto.
A greve pode ser evitada. É só pagar o piso e dar um mínimo de condições àqueles que deveriam ser os profissionais mais bem tratados do País. Assim não haverá interrupção nas aulas e os estudantes não serão prejudicados.

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *