Governador do Pará e presidente do Consórcio de Governadores da Amazônia Legal, Helder Barbalho está com agenda intensa em Brasília, e em reunião com Lula nesta sexta-feira (27) apresentou documento proposto pelo CAL. Para o desenvolvimento regional do bioma amazônico,…

O Papa Francisco nomeou o atual bispo da prelazia de Marajó (PA), Dom Evaristo Pascoal Spengler, bispo de Roraima (RR), que estava sem titular há um ano, desde a transferência de Dom Mário Antônio da Silva para a arquidiocese de…

Utilizar o futebol como ferramenta de transformação social para crianças e adolescentes de todo o Pará é o objetivo do projeto "Futebol Formando Cidadão", que será lançado neste domingo (29) no oeste paraense. A iniciativa é do Tapajós Futebol Clube,…

No próximo sábado, 28, é o Dia Nacional de Combate ao Trabalho Escravo. Esta semana, foram divulgados dados da Secretaria de Inspeção do Ministério do Trabalho e Emprego (MTE) referente a 2022, quando foram resgatados 2.575 trabalhadores em condições análogas…

Situação esdrúxula

“Estamos diante de uma situação inusitada sem precedentes, posto que chegamos ao disparate de presenciarmos que, no interior de alguns ônibus, constam aviso indicativo dos dois valores a serem cobrados, dependendo do município por onde circular o ônibus.
 

Mencione-se ainda, a questão relacionada ao usuário que adquiriu o passe fácil (vale transporte), antes do aumento, ou seja, na vigência do valor de R$ 1,85 (um real e oitenta e cinco centavos),que, agora, a cada utilização do mencionado passe, pela tarifa atual de R$ 2,00 (dois reais), tem um prejuízo de R$ 0,15 (centavos), quando circula pelo Município de Belém.


Há, outrossim, a informação dando conta que operam em Belém, ônibus que estão cobrando R$ 1,85 (um real e oitenta e cinco centavos), para poupar os usuários de transtornos em razão dos preços distintos entre os valores cobrados.
 

No Estado do Pará, estamos com a situação esdrúxula de ter duas (02) tarifas distintas sendo cobradas: uma em Belém e outra na região metropolitana, e tal situação não pode perdurar.


O atual cenário na região metropolitana, relativamente aos valores das passagens de ônibus, que já causa grandes transtornos à população, poderá ser agravado mais ainda, com o advento da integração entre os sistemas de bilhetagem, quando será instituído o passe único.


O processo trazido a meu julgamento, denota o descaso com que os entes públicos têm tratado a população pobre e desvalida deste Estado. Ondas de escândalos de toda a sorte, passagens diferenciadas entre Municípios da mesma região metropolitana e não possibilidade de ressarcimento da população com o bilhete pago a maior.


Outro fator que deve ser observado, é que o próprio código de defesa do consumidor estabelece que quando houver dois preços praticados pelo fornecedor, sempre prevalecerá o menor em favor do consumidor, devendo ser este a ser pago.


Outra situação a causar espécie e humilhação aos usuários: Ao usar os serviços de transportes em Ananindeua o usuário deve imediatamente tentar pagar a tarifa e passar a catraca, para não ter o constrangimento de chegar próximo ao Shopping Castanheira, e ser obrigado a pagar R$ 2.00 reais, simplesmente porque está no limite entre os municípios de Ananindeua e Belém.
 

De igual sorte, seria cômico se não fosse trágico, os usuários que utilizam coletivo em Belém, se “amontoam” no coletivo antes da catraca, para em frente ao Shopping Castanheira passar a catraca e pagar a tarifa de R$ 1,85. Uma situação vexatória e esdrúxula.


Vale mencionar que o Constituinte de 1988, tratou de definir algumas de suas atividades que, por sua essencialidade, só poderão ser exploradas pelo Poder Público, diretamente ou mediante permissão.
 

Ao explorar o serviço público, o particular passa a se submeter aos princípios básicos regentes da Administração Pública, quais sejam: Legalidade, impessoalidade, moralidade, eficiência e publicidade, esses insculpidos no art. 37, da Carta Magna de 1988, além daqueles implícitos, tais como, razoabilidade e proporcionalidade.


Vale mencionar, que ainda que haja um aumento de R$ 0,15 (quinze centavos) nas tarifas cobradas pelos exploradores do serviço de transporte coletivo nesta capital e região metropolitana, isso poderá acarretar um enorme prejuízo ao “bolso” de uma multidão de baixa renda, considerando que esses usuários, bem como a maioria da população de Belém, têm sua renda mensal estipulada na base do salário mínimo, portanto, o reembolso para o usuário será de grande significância e de grande impacto na economia popular.”
 

(Trecho do despacho do juiz Elder Lisboa Ferreira da Costa, da 1ª Vara de Fazenda Pública da Capital, em Ação Civil Pública contra o aumento da passagem de ônibus para R$2 na Região Metropolitana, decretado pelo prefeito de Belém, sem a participação dos demais municípios).

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *