Em uma aula prática da Faculdade de Medicina da Unifamaz, ontem, o professor Marcus Vinícius Henriques de Brito, visivelmente impaciente com a aluna que deveria demonstrar intubação em um boneco, questionou a falta de lubrificação prévia do paciente, ao que…

Na quarta-feira passada, dia 24, a audiência pública na Comissão de Direitos Humanos e Minorias da Câmara Federal, em Brasília, era para discutir a gravíssima situação na Terra Indígena Yanomami, mas o clima de enfrentamento entre bolsonaristas e lulistas inviabilizou…

O prefeito Edmilson Rodrigues anunciou que Belém tem condições de fazer o Carnaval 2022, após reunião hoje (25) à tarde com representantes das escolas de samba e blocos carnavalescos. Ele acredita que com mais de 80% de pessoas vacinadas contra…

Em 17 de dezembro de 1999, a Assembleia Geral das Nações Unidas designou o 25 de novembro Dia Internacional da Eliminação da Violência contra a Mulher. Passados 22 anos, os dados do 14° Anuário Brasileiro de Segurança Pública são aterrorizantes: por…

Sintomas de uma sociedade doente

“Uma tragédia pode ficar pior? Pode, sem dúvida.
O empresário vitimado por mais um golpe da saidinha, no
começo da tarde de ontem, em bairro central da cidade, foi alvejado duas vezes
nas costas provavelmente apenas porque os assaltantes acharam que ele não se
renderia. Os criminosos fugiram sem levar o dinheiro.

Segundo relato de um dos policiais que prestaram
socorro ao rapaz, e que chegou ao meu conhecimento através da esposa do
militar, foi por causa da demora da ambulância que a equipe decidiu levá-lo ao
hospital na viatura da PM. Contudo, uma vez na porta do hospital (um dos mais
famosos da cidade), um médico (ou mais de um, não sei tal detalhe) impediu a
entrada do paciente. Ao ver um homem baleado dentro de uma viatura da PM,
entendeu que era um “bandido” e não queria “confusão” ali.

Os policiais explicaram que ele era a vítima, que
possuía plano de saúde e ele mesmo pedira para ser levado para aquele hospital.
Nem assim o profissional mudou de ideia e recomendou que levassem o ferido para
o Pronto Socorro. Um dos castrenses ameaçou dar voz de prisão ao médico, mas na
pressa em socorrer a vítima, os policiais entraram no hospital e voltaram com
uma maca. A essa altura, contudo, o empresário já estava morto.

Cogita-se que os familiares cobrarão
responsabilidades do hospital. Acho bom que o façam, mesmo. É difícil avaliar o
quanto a demora no atendimento impediu que o rapaz fosse salvo, mas a
causalidade soa meio óbvia na cabeça de qualquer um. Demora da ambulância,
embaraços no hospital. Some os fatores e perceba como estamos desamparados.

Para terminar este lamento, uma última provocação:
o motivo de recusar um paciente baleado, trazido pela PM, talvez não seja a
dicotomia 
mocinho vs. bandido que a nossa sociedade insiste em
proclamar. Ela pode residir numa questão muito mais prosaica: esse que está aí
tem dinheiro para me pagar?

Estou chocado com tudo. Com tudo mesmo.
(Do advogado Yúdice Andrade,
em seu blog Arbítrio do Yúdice)

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *