O IV Distrito Naval da Marinha do Brasil, em parceria com o Ministério Público do Estado do Pará (MPPA), Praticagem da Barra do Pará, Sociedade Amigos da Marinha Pará, Secretarias de Saúde de Barcarena e do Estado do Pará, Tribunal…

Guy Veloso, filho do saudoso jurista, notário e político Zeno Veloso, plantou em sua memória um pé de baobá na Universidade Federal do Pará, onde o ilustre parauara se destacou como professor de direito civil e direito constitucional, formando gerações…

Evellyn Vitória Souza Freitas nasceu no chão do banheiro do Hospital Municipal de Portel, município do arquipélago do Marajó (PA), no dia 28 de julho de 2021, por volta das 8h da manhã, prematura de 28 semanas e dois dias, pesando 1Kg e 39…

Vanete Oliveira, a jovem marajoara de 28 anos e mãe de cinco filhos que sofre há catorze anos com um tumor enorme em um dos olhos, que lhe cobre quase a metade da face, já está internada no Hospital Ophir…

Semas, UFPA e MP falam do aterro

O resultado da análise conjunta feita pela Secretaria de Estado de Meio Ambiente e Sustentabilidade, Universidade Federal do Pará e Ministério Público do Estado acerca do plano emergencial proposto pelas empresas que operam o aterro sanitário metropolitano e que aponta medidas para tratamento do chorume, esvaziamento das bacias e redução da emissão de gases e odor vai ser exposto amanhã de manhã, em reunião na sede do MP, em Marituba, com a promotora Marcela Melo. 

As empresas aventaram três opções para o tratamento dos resíduos: duas consistem em transportar o material, via terrestre ou fluvial, para ser tratado na Jari, em Almeirim(PA) ou na Biotech (PE). A outra é o tratamento dentro do próprio aterro. Ao apresentarem as propostas à juíza de Marituba, Tarcila Maria Souza de Campos, ofereceram aplicar R$17.744.726,00 que estão bloqueados judicialmente nas medidas emergenciais. 

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *