Começou hoje (27) às 8h e segue até às 17h a votação nas prévias do PSDB para escolher seu candidato à Presidência da República. O resultado, se tudo correr bem, deve ser anunciado às 20h. O partido passou a semana…

Em uma aula prática da Faculdade de Medicina da Unifamaz, ontem, o professor Marcus Vinícius Henriques de Brito, visivelmente impaciente com a aluna que deveria demonstrar intubação em um boneco, questionou a falta de lubrificação prévia do paciente, ao que…

Na quarta-feira passada, dia 24, a audiência pública na Comissão de Direitos Humanos e Minorias da Câmara Federal, em Brasília, era para discutir a gravíssima situação na Terra Indígena Yanomami, mas o clima de enfrentamento entre bolsonaristas e lulistas inviabilizou…

O prefeito Edmilson Rodrigues anunciou que Belém tem condições de fazer o Carnaval 2022, após reunião hoje (25) à tarde com representantes das escolas de samba e blocos carnavalescos. Ele acredita que com mais de 80% de pessoas vacinadas contra…

Semana Paraense pela Memória e Direitos Humanos

Encerra amanhã a Semana Paraense pela Memória e Direitos
Humanos,
com a exibição do filme “Araguaia:
Campo Sagrado
”, no Cine Olympia (Av. Presidente Vargas, 918), em Belém. A
programação, gratuita e aberta, começou no último dia 1º e marca os 41 anos do
início da Guerrilha do Araguaia.
A exibição é
promovida pelo Conselho Regional de Psicologia 10ª região PA/AP, por meio do
Grupo de Trabalho Direito à Memória e à
Verdade
, e tem o apoio do Comitê
Paraense pela Verdade e Justiça
. O evento começa às 15h com o filme e segue
com o debate que envolverá o diretor do documentário, Evandro Costa Medeiros, o
ouvidor do Grupo de Trabalho Araguaia, Paulo Fonteles Filho, e o jornalista
Ismael Machado.
O longa narra em 50
minutos os acontecimentos da Guerrilha a partir do relato de camponeses,
ex-mateiros e soldados, que foram testemunhas ou atuaram na ação do Exército
Brasileiro para a repressão do movimento de resistência organizado pelo PC do B,
entre 1972 e 1975. E denuncia o assassinato do ex-mateiro Raimundo Clarindo do
Nascimento, o “Cacaúba”, em junho de 2011, coincidentemente, depois de romper silêncio de mais de 30 anos
sobre o que sabia da matança no Araguaia, logo após visita do Major Curió na
Serra Pelada, onde morava, quando foi excluído da reunião dos ex-guias com o
antigo chefe e revelou que sua vida estava em perigo.
Após o debate, o
CRP10 homenageará alguns personagens do período: Hecilda Veiga, Eneida
Guimarães, Dermi Azevedo, Iza Cunha (in memorian)
e a Associação dos Torturados na Guerrilha do Araguaia.

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *