Lançamentos literários, apresentações de teatro, oficinas voltadas para as culturas pop e japonesa, arrecadação de livros, atividades pedagógicas e lúdicas direcionadas ao público infantil, entre outras ações, estão no cardápio de cultura e arte servido aos visitantes do estande da…

O procurador do Ministério Público do Trabalho Sandoval Alves da Silva tomou posse na chefia da Procuradoria Regional do Trabalho da 8ª Região para o biênio de 2021-2023 enfatizando o papel decisivo do MPT na garantia dos direitos humanos. O…

Prevaleceu o bom senso e o cuidado com as pessoas. O prefeito Edmilson Rodrigues ouviu o secretário municipal de Saúde, Maurício Bezerra, e técnicos responsáveis pela vacinação e enfrentamento à Covid-19, e cancelou os desfiles das escolas de samba, blocos…

Começou hoje (27) às 8h e segue até às 17h a votação nas prévias do PSDB para escolher seu candidato à Presidência da República. O resultado, se tudo correr bem, deve ser anunciado às 20h. O partido passou a semana…

Segurança jurídica em terras parauaras

Um grande
passo foi dado hoje para dar um basta à grilagem que multiplica o território do
Pará em registros ilegais. As Corregedorias de Justiça das Comarcas da Região
Metropolitana de Belém e do Interior do TJE-PA editaram três provimentos
conjuntos, que estabelecem o Código de Normas dos Serviços Notariais e de Registro
de Imóveis do Estado do Pará, o procedimento de Requalificação das Matrículas
de Imóveis Rurais Canceladas por decisão do CNJ, e a instituição do Plano de
Gestão das Corregedorias da RMB e do Interior para o período 2013/2017.
A cerimônia foi
presidida pela desembargadora Eliana Abufaiad, vice-presidente do TJ, presentes
as desembargadoras corregedoras Dahil Paraense de Souza, da RMB, e Maria de
Nazaré Gouveia dos Santos, do Interior; os juízes auxiliares da CJCI, Kátia
Parente e Cristiano Arantes; o desembargador Otávio Maciel, Ouvidor Agrário
Estadual; a promotora Eliane Moreira, da Promotoria de Justiça Agrária; o
defensor público Rossivagner Santos, coordenador da Defensoria Pública Agrária;
a procuradora Janice Varella, coordenadora da Procuradoria Estadual Fundiária;
Elielson Silva, superintendente do Incra; Girolamo Treccani, da Clínica de
Direitos Humanos da UFPA; Sérgio Martins, da Sociedade de Defesa dos Direitos
Humanos; e Cleomar Moura, representante da Associação dos Notários e
Registradores do Pará (Anoreg/PA).
O Código de
Normas trará a uniformidade de procedimentos cartorários. Com isso, virá a
segurança jurídica.
De agora em
diante, os cartórios de registro de imóveis devem obrigatoriamente prestar
informações às Corregedorias das Comarcas da RMB e do Interior e aos juízes das
Varas Agrárias, sobre as matrículas e registros cancelados administrativamente
por decisão da Corregedoria Geral do CNJ, nos autos de Pedido de Providências
(nº 00019436720092000000), que haviam sido anteriormente bloqueadas conforme o
Provimento nº 013/2006, da Corregedoria do Interior do TJPA.
O
Procedimento de Requalificação consiste no pedido administrativo para a
restauração das matrículas e registros cancelados com base na decisão da
Corregedoria Geral do CNJ, provando o justo motivo. Também ao interessado
compete requerer a abertura de Procedimento de Requalificação diretamente à
unidade de registro de imóveis competente, demonstrando a razão para ser
considerado indevido o cancelamento da matrícula, devendo instruir o pedido com
vários documentos, dentre eles o título original ou certidão original, fornecido
nos últimos 90 dias pelos órgãos de terras do Pará e da União, que atestem a
regularidade do destacamento do imóvel do patrimônio público, seus limites e
confrontações; documentos pessoais do interessado; e comprovante de quitação do
ITR dos últimos cinco anos, dentre outros.
As
matrículas cujas informações não tenham sido enviadas às corregedorias e juízos
agrários não poderão ser objeto de Procedimento de Requalificação. Os oficiais
dos cartórios terão prazo de 60 dias, a contar da publicação do Provimento no DJE
do TJPA, para remeter as informações requeridas aos órgãos competentes, sob
pena de responsabilidade.

Quem sabe agora o território do Pará volta a ter só o andar térreo?

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *