Nem bem foi inaugurado, e ainda faltando a instalação dos bancos e finalização, o calçadão da Avenida Beira-Mar, em Salinópolis, sofreu diversas avarias. A Secretaria de Desenvolvimento Urbano e Obras acionou a empresa responsável pela obra, que está executando ações…

A expectativa era grande em relação à ida do governador Helder Barbalho à Assembleia Legislativa para a leitura da Mensagem na instalação da 61ª Legislatura. Funcionou como uma espécie de termômetro da Casa, que abriga novos deputados na oposição, e…

Foram empossados hoje na Assembleia Legislativa do Pará os 41 deputados estaduais eleitos para a 61ª Legislatura (2023-2027). Em seguida houve eleição para a Presidência e a Mesa Diretora, em chapa única, tendo sido reeleito praticamente à unanimidade – por…

O governador Helder Barbalho está soltando a conta-gotas os nomes dos escolhidos para compor o primeiro escalão de seu segundo governo. Nesta quarta-feira será a posse dos deputados estaduais e federais e dos senadores, e a eleição para a Mesa…

A Saúde leiloada

Vejam como o jogo de empurra partidário continua resultando em mortes de pessoas pobres por falta de assistência. Em sessão especial na Câmara Municipal de Belém, o secretário de Estado de Saúde, Hélio Franco, disse que o Pará recebe do Ministério da Saúde R$ 735 milhões para a média e alta complexidade, dos quais R$ 234 milhões destinados a Belém e R$ 311 milhões para manter os Hospitais Estaduais – sendo que, do total, R$ 148 milhões são para atender Belém, já que 70% dos pacientes nos hospitais públicos são da capital – e as Unidades Especializadas e Centros de Atenção Psicossocial, cujos pacientes são 100% da capital.
Alegou também que desde o ano passado a Sesma está retendo R$ 11 milhões, referentes ao pagamento da Gratificação de Desempenho Institucional, verba carimbada para tal. O secretário de Saúde de Belém, Sérgio Pimentel, diz que é mentira e que a capital arca com os doentes do interior.
O titular da Sespa também afirma que mantém servidores estaduais trabalhando em unidades municipais, ao custo de R$ 4,5 milhões ao ano. E que a Atenção Básica é responsabilidade do município mas, apesar disso, o governo do Estado repassa R$ 2,5 milhões a todos os 143 municípios paraenses.
Ah! Hélio Franco criticou a postura do Ministério Público Federal, “que não faz nada para o governo federal dar mais atenção ao Pará, um Estado de dimensões continentais e peculiaridades geográficas, que dificultam as ações de saúde pública”(!).
O Pará recebe o menor valor per capita para investimento em saúde – menos de R$ 100 por ano -. E cadê a bancada paraense na Alepa, na Câmara e no Senado, que não se mexe? Como se vê, o problema não se resume à falta de recursos financeiros, e sim à péssima gestão e inércia política.

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *