Começou hoje (27) às 8h e segue até às 17h a votação nas prévias do PSDB para escolher seu candidato à Presidência da República. O resultado, se tudo correr bem, deve ser anunciado às 20h. O partido passou a semana…

Em uma aula prática da Faculdade de Medicina da Unifamaz, ontem, o professor Marcus Vinícius Henriques de Brito, visivelmente impaciente com a aluna que deveria demonstrar intubação em um boneco, questionou a falta de lubrificação prévia do paciente, ao que…

Na quarta-feira passada, dia 24, a audiência pública na Comissão de Direitos Humanos e Minorias da Câmara Federal, em Brasília, era para discutir a gravíssima situação na Terra Indígena Yanomami, mas o clima de enfrentamento entre bolsonaristas e lulistas inviabilizou…

O prefeito Edmilson Rodrigues anunciou que Belém tem condições de fazer o Carnaval 2022, após reunião hoje (25) à tarde com representantes das escolas de samba e blocos carnavalescos. Ele acredita que com mais de 80% de pessoas vacinadas contra…

Saúde calamitosa

A que ponto chegou a saúde no Pará! Nos
hospitais públicos – estaduais, municipais, universitários -, e nos particulares
também, as filas de espera, a falta de atendimento por carência de
equipamentos, remédios e profissionais de saúde já viraram caso de polícia. Agora
os médicos têm entre as tarefas de plantão fazer até BO em delegacias, para se
resguardar de possíveis responsabilidades penais e cíveis. Pacientes morrem ou
se sujeitam a riscos maiores que os causados por suas doenças, como resultado
da incompetência e desumanidade dos gestores. No Hospital Universitário João de
Barros Barreto faltam insumos, na Santa Casa há superlotação e os dois
hospitais de Pronto Socorro Municipal de Belém estão sem anestesistas porque
não recebem há meses.
Nos planos de saúde a situação não é muito
diferente do SUS. Vários já foram fechados pela absoluta falta de condições e a
Unimed Belém está em colapso. Com centenas de milhares de clientes e a maioria
dos médicos descredenciados porque se recusam ao valor aviltante pago pelos
procedimentos, as pessoas são obrigadas a esperar mais de um mês para consultas,
e nenhum credenciado aceita RPG, por exemplo, para fisioterapia. O próprio
presidente da Unimed Belém, médico neurologista César Neves, paga em clínica
particular R$120 pelo tratamento, que pela Unimed sai a míseros R$20.
Nos hospitais particulares proliferam
denúncias de recusa de pacientes e de contaminação. Uma calamidade. Acuda-nos,
quem?

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *