O presidente da Assembleia Legislativa do Pará, deputado Chicão, foi aclamado ontem por servidores e deputados após a sessão plenária, que se estendeu até as 15h, ao entregar os espaços reformados que já estão prontos para utilização. É que, em…

O delegado de polícia de Oriximiná, Edmílson Faro, prendeu o vigia Ailton Ferreira da Silva a pedido do presidente da Câmara Municipal, vereador Marcelo Andrade Sarubi (PSDB) e do vereador Márcio Canto (PTB) e, na presença de ambos e do…

Primeira do Brasil totalmente focada na educação para o trânsito, a biblioteca do Detran-PA foi criada em 1998 e começou direcionada ao público interno, funcionando no antigo prédio do órgão, ao lado da Ceasa. Em 1º de novembro de 1999,…

A Prefeitura de Belém vai revitalizar dezesseis imóveis do município que estão há anos em situação de abandono. Além do resgate do patrimônio histórico, artístico e cultural, a intenção é reduzir gastos com aluguéis de prédios que abrigam órgãos municipais.…

Santa Misericórdia!

A médica Maria do Carmo Lobato, exonerada da presidência da Santa Casa de Miséricórdia do Pará depois da morte de dois bebês por falta de atendimento, disse que desde o início do mês enviou ao secretário de Saúde, Hélio Franco, documento apontando a superlotação da UTI neonatal, mas ainda assim não orientou as equipes a deixar de atender pacientes. Ofendida com o tratamento recebido, denunciou o titular da Sespa ao Conselho Regional de Medicina.
O caso ainda vai render muito pano para mangas. O secretário Hélio Franco admite a superlotação, mas acusa a direção da Santa Casa de fechar as portas para emergências.
Detalhe: outro hospital público estadual, o Gaspar Viana, também havia recusado a parturiente, mãe das vítimas. E, com a repercussão que o caso teve na mídia nacional, a delegada Perpétua, que presidia o inquérito, foi substituída, o que ampliou o clima de conflito entre os delegados de polícia e a Secretaria de Segurança Pública.
Para completar, o deputado Edmilson Rodrigues (PSOL) quer averiguar irregularidades, apontadas pelo MPE, na aplicação de quase R$ 1 bilhão repassados às organizações sociais que administram os cinco hospitais regionais do Estado, e requereu na Alepa que o governo apresente a lista das OS que receberam recursos estaduais entre 2005 até este mês. 

Edmilson disse que a Associação Beneficente de Assistência Social e Hospitalar Pró-Saúde, que administra os hospitais de Santarém, Marabá e Altamira, recebeu mais de R$230 milhões, sem apresentar projeto em prol da sociedade, conforme determina seu estatuto. E que as OS se apropriam dos investimentos públicos como se a saúde tivesse “virado mercadoria”. 

Enquanto se apura responsabilidades, as crianças vão continuar morrendo ou não? O que será feito para evitar tragédias assim?

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *