0

Nesta quinta-feira (4), a partir de 18h30, um grupo de especialistas vai discutir com o público as obras “Duna 2”, do diretor franco-canadense Denis Villeneuve, “Anatomia de uma queda”, da francesa Justine Triet, e “Dias Perfeitos”, do alemão Win Wenders, uma das mais importantes figuras do cinema alemão. O bate-papo será na Casa das Artes.

A iniciativa da Fundação Cultural do Pará e do Centro de Estudos Cinematográficos joga luzes sobre filmes em exibição no circuito de Belém. O coordenador do CEC, Marco Antonio Moreira, e John Fletcher, Alex Damasceno e Jorane Castro são os debatedores desta semana. A proposta é uma ação cultural mensal vinculada ao cinema, que pode ser em vários formatos, comentou Marco Antônio Moreira. “A ideia é debatermos com o público, dar nossa opinião e ter a opinião do espectador. Acho que uma das coisas mais interessantes na arte é o debate. Cada um tem seu ponto de vista e pode acrescentar algo no ponto de vista do outro”, acrescentou.

Em “Duna: Parte 2”, o personagem Paul Atreides (Timothée Chalamet) se une a Chani (Zendaya) e busca vingança contra os conspiradores que destruíram sua família. Uma jornada espiritual, mística e marcial se inicia. Enfrentando uma escolha entre o amor de sua vida e o destino do universo, Paul deve evitar o que só ele pode prever. Se tudo sair como planejado, ele poderá guiar a humanidade para um futuro promissor.

Por sua vez, o suspense dramático “Anatomia de uma Queda” conta a história de um homem encontrado morto no chalé onde morava com sua esposa e o filho com deficiência visual. A investigação concluiu se tratar de uma “morte suspeita”. A viúva é indiciada, e entre o julgamento e a vida familiar as dúvidas pesam. A obra ganhou o Oscar de Melhor Roteiro Original e foi indicada aos prêmios de Melhor Filme, Melhor Direção, Melhor Atriz (Sandra Hüller) e Melhor Montagem, este ano.

“Dias Perfeitos” trata da história de Hirayama (Koji Yakusho), um homem de meia idade reflexivo, que vive de forma modesta, limpando banheiros em Tóquio. Sua vida é revelada através da música que ouve, dos livros que lê e das fotos que faz das árvores, suas três paixões. À medida que a vida de Hirayama avança, encontros inesperados começam a surgir, revelando um passado sombrio e não tão metódico do zelador. O longa explora temas como solidão, fuga e busca de sentido na vida moderna.

A Casa das Artes fica na rua Dom Alberto Gaudêncio Ramos, nº 236, ao lado da Basílica Santuário de Nazaré. O acesso é livre e gratuito.

Oriximiná tem o 1ª e 2º maiores CAR Quilombola do Brasil

Anterior

Tratamento precoce e estímulo são cruciais para autistas

Próximo

Vocë pode gostar

Comentários

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *