A empresa de ônibus Belém-Rio, que faz a linha para o distrito de Outeiro – Ilha de Caratateua, em Belém, aparentemente está falida e reduziu pela metade a sua frota, causando enorme sofrimento aos usuários do transporte coletivo. O serviço,…

A Cosanpa abriu nada menos que seiscentos buracos imensos nos bairros mais movimentados de Belém, infernizando a vida de todo mundo com engarrafamentos e causando graves riscos de acidentes, principalmente porque chove sempre, e quando as ruas alagam os buracos…

O Procurador-Geral de Justiça César Mattar Jr. inaugurou nesta quinta-feira, 16, o Núcleo Eleitoral do Ministério Público do Estado do Pará, que vai funcionar na sede das Promotorias de Justiça de Icoaraci, distrito de Belém. O coordenador será o promotor…

A desembargadora Maria de Nazaré Saavedra Guimarães, que se destaca pelo belo trabalho que desenvolve à frente da Comissão de Ações Judiciais em Direitos Humanos e Repercussão Social do Tribunal de Justiça do Estado do Pará, e que já coordenou…

Remo, Paysandu e Tuna imorredouros

Foram aprovados, ontem, três projetos de lei
de autoria do deputado Raimundo Santos, líder do PEN, pelos quais Clube do Remo,
Paysandu Sport Club e Tuna Luso Brasileira passam à condição de Patrimônio
Cultural de Natureza Imaterial do Estado do Pará.
Em sua justificativa, o deputado historia
que, no início do século XX, o remo era o principal esporte praticado no Pará.
As disputas náuticas eram travadas na baía do Guajará. E entre as melhores equipes
estava o Sport Club do Pará. Um grupo de sete desportistas, integrado por Raul
Engelhard, Victor Engelhard, Eduardo Cruz, Vasco Abreu, Eugênio Soares, Narciso
Borges e José Henrique Danin se
desentendeu
com os demais e, com o apoio de mais 14 aliados, fundou um novo
clube, o Grupo do Remo, no dia 5 de
fevereiro de 1905.
Já em 1908, com apenas 3 anos de existência,
o Remo viveu sua primeira grande crise: sem conseguir renovar o aluguel da
sede, foi decretada a sua extinção. Foi preciso mais três anos para que o grupo
formado por Oscar Saltão, Antonico Silva, Geraldo da Mota(Rubilar), Jaime Lima,
Cândido Jucá, Harley Collet, Nertan Collet, Severino Poggy, Mário Araújo,
Palmério Pinto e Elzeman Magalhães reorganizasse e consolidasse o Remo como um
dos clubes mais antigos do Brasil.
O Paysandu foi fundado em 2 de fevereiro de
1914, depois de um desentendimento com a diretoria da Liga Paraense de
Foot-Ball, atual Federação Paraense de Futebol (notaram que Leão e Papão nasceram de dissidências
e no início de fevereiro?)
Conta a crônica esportiva que, naquele ano, o
Norte Club, inconformado com o resultado de uma partida com o Guarany, pediu à
Liga Paraense de Foot-Ball a anulação do jogo, alegando diversas
irregularidades. Não obteve guarida. Então, os insatisfeitos criaram um
movimento e, no dia 1º de fevereiro (ô mês emblemático!) de 1914, o jornal O Estado do Pará publicou a convocação
para a reunião de fundação do novo clube, denominado Paysandu Foot-Ball Club,
por proposição de Hugo Leão, líder do movimento que presidiu a primeira assembleia
geral. O nome foi escolhido em homenagem ao feito glorioso e heroico da Marinha
de Guerra brasileira ao transpor o Passo do Paysandu, na guerra contra o Paraguai.
A expressão “Papão da Curuzu” foi criada em 1948 pelo jornalista Everardo
Guilhon, ao dar a manchete do jornal A
Vanguarda
: “Hoje treina o bicho-papão”. O apelido pegou entre os torcedores.
A Tuna Luso Caixeral surgiu no dia 1º de
janeiro de 1903, fruto do Grupo Executante, integrado por jovens portugueses
trabalhadores do comércio de Belém do Pará, liderados por Manoel Nunes da
Silva, e que se reunida no extinto Café Apolo. Tuna significa uma orquestra ou
conjunto popular, Luso é referência à nacionalidade de seus fundadores, e
Caixeral a totalidade dos que trabalhavam no comércio conhecidos como caixeiros.
Mais tarde, em 1926, foi denominada Tuna Luso Comercial e, por fim, em 1968,
Tuna Luso Brasileira.

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *