Embora o Quartel Tiradentes esteja localizado no coração do bairro do Reduto, sediando o 2º BPM e duas Companhias da Polícia Militar do Pará, os meliantes parecem desafiar abertamente os policiais. Os assaltos no bairro continuam muito frequentes, principalmente no…

Douglas da Costa Rodrigues Junior, estudante de Letras - Língua Portuguesa da Universidade Federal do Pará e bolsista do Museu Paraense Emílio Goeldi, ganhou a 18ª edição do Prêmio Destaque na Iniciação Científica e Tecnológica na área de Ciências Humanas…

O Ministério Público do Trabalho PA-AP abrirá na segunda-feira inscrições para Estágio de Nível Superior. A seleção será destinada ao preenchimento de vagas e formação do quadro de reserva de estagiários dos cursos de Administração/Gestão Pública, Biblioteconomia, Direito, Jornalismo, Publicidade/Propaganda…

Hoje, dia 23 de julho de 2021 às 19h, o Instituto Histórico e Geográfico do Pará realizada a nona “Live em Memória” da programação alusiva aos 121 anos do Silogeu, desta vez em homenagem ao centenário de nascimento do Almirante…

Reconstrução do prédio histórico da PM

O antigo quartel do 2º Batalhão da Polícia Militar, na rua Gaspar Viana, na esquina com a Av. Assis de Vasconcelos, no bairro do Reduto, em Belém, estava literalmente em ruínas, como se observa na foto feita pela Ascom da PM. O telhado caiu e as paredes internas, idem. Para salvar o prédio e celebrar o bicentenário de criação da PM do Pará, o governo do Estado vai investir R$ 4.875.405 no restauro e ampliação, mas a obra é praticamente de reconstrução. Vai desde a fundação, passando pela estrutura e alvenaria, além da instalação hidráulica e elétrica, com previsão de entrega para setembro de 2019. 
O quartel foi erguido em meados do século XIX (a obra começou em 1849 e ficou pronta em 1852), pelo presidente da Província do Pará, Jerônimo Francisco Coelho, no terreno doado por Dona Francisca Rozo Cardoso, e de início abrigou o Corpo Provincial de Caçadores de Polícia (nome antigo da PM). Antes, a corporação ocupava as instalações do convento de Santo Antônio, que pertence à Ordem Terceira de São Francisco, alugada ao custo de 200 mil réis. Após ser ocupado pela tropa, as obras continuaram e o governo da Província comprou mais duas casas atrás,com o que aumentou a área. 

A edificação tem alto valor para a memória do Pará e do País, por ter sido sede do 1º Corpo da Brigada Militar do Estado, que, em 1897, sob o comando do coronel José Sotero de Menezes, seguiu para o sertão nordestino, onde enfrentou e venceu a Revolta de Canudos; foi onde funcionou, também, a então “Força Pública do Estado”, que combateu com sucesso os levantes “tenentistas” em Belém, em 1922. Serviu de base para as tropas que lutaram na Guerra do Paraguai e as que integraram o Corpo Paraense de Voluntários da Pátria. 

Nas décadas de 1940 e 1960 sediou o Batalhão de Infantaria da PM; de 1960 e 1980 foi denominado Batalhão de Guardas da Polícia Militar, que também abrigava a banda de música da PM, a Patrulha Mirim e, durante a ditadura militar implantada pelo golpe de 1964, funcionou como aparelho de repressão e recebeu presos políticos. 

No início dos anos 1980 recebeu a denominação de 2º Batalhão da Polícia Militar, tendo como patrono o Alferes Tiradentes, até sua desativação em 2008. Foi nesse período que o 2º BPM se tornou referência, com o advento do policiamento ostensivo em cabines, os PM Box. Em 1984, o Departamento do Patrimônio Histórico e Cultural da Secretaria de Estado de Cultura (Secult), incluiu o imóvel na lista de edificações tombadas como patrimônio histórico e arquitetônico do Pará.

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *