Ontem duas famílias viveram momentos de terror, vítimas de assalto à mão armada por volta das 13 horas, durante passeio no Parque do Utinga, um dos lugares mais lindos de Belém e importante equipamento turístico parauara. Trata-se do oitavo roubo…

Em iniciativa inédita, o Fórum de Entidades em Defesa do Patrimônio Cultural Brasileiro celebra os percursos individuais e coletivos que construíram as políticas de salvaguarda do patrimônio cultural no Brasil, lançando a obra “Em Defesa do Patrimônio Cultural”, organizado por…

Neste sábado, 16, postos de saúde ficarão abertos para a vacinação com foco em menores de 15 anos. Em Belém, 11 unidades vão funcionar das 8h às 14h. A campanha da Multivacinação iniciou no dia 04 de outubro e segue…

De autoria do carnavalesco e professor Paulo Anete, o enredo para o Carnaval 2022 da Escola de Samba Grêmio Recreativo Carnavalesco e Cultural Os Colibris, de Belém do Pará, é “Zélia Amada/ Zélia de Deus/ Zélia das Artes/ Herdeira de…

Receita Federal cobra ITR de quilombolas

Há mais de 15 anos
a Associação de Comunidades Quilombolas do Trombetas, do município de
Oriximiná, no Oeste do Pará, tem títulos do Incra e do Iterpa, mas em 2010 foi
surpreendida pela cobrança de uma dívida de
R$
5.324.328,27,
de Imposto
Territorial Rural, pela Receita Federal de Santarém, através de duas ações de
execução.
No último dia 24, a entidade protocolou
na Justiça Federal, em Brasília, ação ordinária com pedido de tutela antecipada
contra a Fazenda Nacional a fim de anular a dívida e impedir o lançamento de
novos débitos referentes ao ITR. O deputado Edmilson Rodrigues(PSOL) denunciou
a situação na tribuna e requereu que a Alepa solicite formalmente à Justiça
Federal a suspensão da cobrança do ITR contra a ACORQAT e manifestou
solidariedade à Associação.


Chama a
atenção tal cobrança judicial porque o ITR é um imposto federal que tem como
objetivo combater a existência de latifúndios improdutivos, através de uma
carga tributária progressiva. No entanto, a Receita Federal está dando às
comunidades remanescentes de quilombos, que são historicamente
hipossuficientes, o mesmo tratamento dispensado aos proprietários de grandes
extensões de terras. A ACORQAT é uma associação civil que representa cerca de
400 famílias do Território Quilombola Trombetas
“, argumenta o deputado,
lembrando que esse território foi a quarta área quilombola a ser reconhecida e
titulada em todo o Brasil, em 1997, totalizando 80 mil hectares de terras.


A Constituição Federal prevê o reconhecimento e titulação
das áreas remanescentes de quilombos com a finalidade de permitir a reprodução
da cultura e do modo de vida tradicional dessas comunidades. “A propriedade quilombola, que é coletiva e
não pode ser fracionada, nem vendida, não pode ser equiparada às propriedades
individuais reguladas pelo Código Civil, as quais têm conteúdo econômico, estas
sim geradoras do dever de pagar o ITR, conforme prevê a Constituição Federal
“,
defende o parlamentar.

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *