A Associação do Ministério Público do Estado do Pará elegeu nesta sexta-feira, 24, a nova diretoria da Assembleia Geral, Diretoria Administrativa e Conselho Fiscal, para o biênio 2022-2024. Os promotores de justiça Alexandre Tourinho e Fábia Fournier, presidente e vice-presidente,…

O CineSal desta semana foi com a professora doutora Sidiana Macêdo, que abordou o tema "Na cozinha de Babette", sobre o filme "A festa de Babette", de 1987, baseado no livro homônimo, da escritora dinamarquesa Karen Blixen, com direção de…

A juíza titular da 1ª Vara do Trabalho de Parauapebas, Roberta de Oliveira Santos, homologou, hoje, 24, o pagamento dos direitos trabalhistas a uma mulher que atuava como cozinheira em um grande hotel da cidade, a mais rica do Pará.…

Vai ser em alto estilo, neste sábado (25), ao cair da tarde, a inauguração do restauro do Palacete Faciola: show da Amazônia Jazz Band e abertura das exposições "Belém Passado/Presente", em homenagem ao saudoso professor, arquiteto e urbanista Flávio Nassar;…

“Pureza” e o horror do trabalho escravo

Nesta sexta-feira (22) será o lançamento social (pré-estreia para convidados) do longa-metragem brasileiro Pureza, a primeira obra das telonas nacionais a abordar a temática da escravidão. O diretor Renato Barbieri, os produtores Marcus Ligocki Jr., Francisco Alan Lima, Alberto Silva Neto, o elenco e os abolicionistas contemporâneos ligados ao filme, tais como o Juiz do Trabalho do TRT8 Jonatas Andrade, presidente da Associação dos Magistrados Trabalhistas do Pará e defensor dos direitos humanos, estão em Belém. No dia 5 de maio será a estreia no circuito nacional de cinema.

“Pureza”, gravado em 2019 na região sul do Pará e inspirado em fatos reais, conta a história de Pureza Lopes Loyola, cuja luta inspirou a criação do Grupo Especial de Fiscalização Móvel, a primeira ação na História do Brasil destinada a combater o trabalho escravo em todo o território nacional. Determinada a encontrar seu filho caçula, Abel, desaparecido após partir em busca de emprego na Amazônia, a pobre mulher, mãe de cinco filhos, não hesitou em sair de Bacabal (MA) só com uma muda de roupa na bagagem e enfrentar a escravidão moderna, seus efeitos desumanos sobre os indivíduos e o terrível poder de vida e morte dos donos de escravos.

Dona Pureza testemunhou o recrutamento por “gatos”, ia de fazenda em fazenda trabalhar como cozinheira e assim ouviu relatos de horror dos trabalhadores reduzidos a escravos com documentos subtraídos, dívidas contraídas para não morrer de fome e que nunca podiam ser quitadas. Quem tentava fugir era morto e enterrado na mata, em cova rasa e sem nome.

O ano era 1993. No interior do Maranhão, Dona Pureza trabalhava fabricando tijolos ao lado de seu filho Abel, até que ele decidiu tentar a sorte nos garimpos do Pará. Após meses sem receber notícias do filho, ela iniciou uma jornada incansável para descobrir o seu paradeiro. Pureza percorre cidades, se embrenha em fazendas e descobre um cruel sistema de aliciamento e cárcere de trabalhadores rurais. Ela testemunha o tratamento brutal dispensado aos trabalhadores. Com muita coragem, consegue denunciar os fatos às autoridades federais. Sem credibilidade, e lutando contra um sistema forte e perverso, enfrentou muitos perigos para registrar provas e pressionar o governo até encontrar Abel, em 1995.

Dira Paes, no papel da protagonista, estrela o filme, escolhida por seu trabalho social e humanitário. Desde 2015, ela é uma das principais mobilizadoras do Criança Esperança e uma das dirigentes do Movimento Humanos Direitos. Como atriz, são 32 anos de carreira e 43 filmes realizados, entre curtas e longas. Em 2017, ela ganhou o Troféu Oscarito pelo conjunto da obra no Festival de Gramado. Recentemente, estreou como diretora com o filme “Pasárgada”, do qual também é roteirista e protagonista.

O filme já coleciona 28 prêmios em 18 países (Brasil, França, EUA, Guadalupe, Itália, Rússia, China, Alemanha, Panamá, Bolívia, Marrocos, Cuba, Reino Unido, México, Argentina, Colômbia, Líbano e Portugal): no Rencontres Du Cinéma Sud-américain/Marseille (França), arrebatou Melhor Filme Júri Popular e Menção Honrosa do Júri. No Canal de Panamá International Film Festival ganhou como Melhor Filme; no FEMI Festival (International Film Festival of Guadalupe) (Caribe), Melhor Filme; no Big Muddy Film Festival (EUA), Melhor Filme. Também no Infinito Film Festival de Miami/Nova York, Melhor Atriz e Melhor Fotografia; no Seattle Latino Film Festival (EUA), Melhor Atriz. No Salento International Film Festival (Itália), Melhor Atriz; no Workers Unite Film Festival (EUA), Menção Honrosa. No Washington DC International Film Festival (EUA), Menção Honrosa na Competição Justice Matters. No Festival de Cinema de Vitória, Melhor Filme Júri Popular e Melhor Atriz. No Florianópolis Audiovisual Mercosul, Melhor Filme Júri Popular. No Festival do Rio Première Brasil – Competição longas de ficção Encontra Nacional de Cinema e Vídeo dos Sertões Melhor Filme Júri Oficial, Melhor Filme Júri Popular, Melhor Ator, Melhor Direção, e Melhor Fotografia. No 12nd Festin – Festival de Cinema Itinerante da Língua Portuguesa, Melhor Filme Júri Oficial e Melhor Atriz.

Já neste sábado, dia 23, o filme será exibido em Marabá, na programação da Universidade Federal do Sul e Sudeste do Pará, em duas sessões, uma às 16h e outra às 19h, no Cine Marrocos, e terá a presença do diretor, Renato Barbieri.

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *