Em uma aula prática da Faculdade de Medicina da Unifamaz, ontem, o professor Marcus Vinícius Henriques de Brito, visivelmente impaciente com a aluna que deveria demonstrar intubação em um boneco, questionou a falta de lubrificação prévia do paciente, ao que…

Na quarta-feira passada, dia 24, a audiência pública na Comissão de Direitos Humanos e Minorias da Câmara Federal, em Brasília, era para discutir a gravíssima situação na Terra Indígena Yanomami, mas o clima de enfrentamento entre bolsonaristas e lulistas inviabilizou…

O prefeito Edmilson Rodrigues anunciou que Belém tem condições de fazer o Carnaval 2022, após reunião hoje (25) à tarde com representantes das escolas de samba e blocos carnavalescos. Ele acredita que com mais de 80% de pessoas vacinadas contra…

Em 17 de dezembro de 1999, a Assembleia Geral das Nações Unidas designou o 25 de novembro Dia Internacional da Eliminação da Violência contra a Mulher. Passados 22 anos, os dados do 14° Anuário Brasileiro de Segurança Pública são aterrorizantes: por…

Projeto “Acadêmico Padrinho-Cidadão”

A Comissão de Erradicação do Trabalho Infantil do Tribunal Regional do Trabalho da 8ª Região, dando prosseguimento às ações que vem implementando em âmbito regional desde o segundo semestre de 2014, elegeu 2016 como o “Ano da Aprendizagem” e pretende desenvolver diversas ações que ajudem a reduzir os índices de violência e de trabalho infantil, entre elas o projeto “Acadêmico  Padrinho-Cidadão”.

A ideia funciona assim: “apadrinhar” um aluno ou grupo de estudantes de escolas públicas, na faixa etária de 7 a 17 anos, no sentido de apoiá-los no que for possível, promovendo a ocupação no turno em que não estejam na escola, estimulando-os ao estudo, ao esporte e a atividades lúdicas. 

O segundo passo é colaborar para que seja firmada uma consciência no sentido de que a aprendizagem é um dos principais caminhos para se garantir o trabalho decente aos adolescentes que, por necessidade financeira, precocemente precisam trabalhar; e de que a adequada qualificação deles e a aprendizagem, como meios de ingresso no mundo do trabalho, em muito contribuirão para a redução da violência  e para que os adolescentes possam sonhar com um futuro profissional digno. 

Acadêmicos de qualquer curso de graduação que pretendam, de forma voluntária e unidos à Comissão de Erradicação do Trabalho Infantil da Justiça do Trabalho, ser atores sociais e agentes de transformação da sociedade, podem participar.

Já são parceiros do TRT8 no projeto a Uepa – Universidade do Estado do Pará, a Faculdade Maurício de Nassau, a Unama, a Proativa do Pará (escola de cursos profissionalizantes), CIEE – Centro de Integração Empresa-Escola, Federação das Associações Comerciais do Pará/Faciapa, Associação Comercial do Pará, Sebrae, Seduc, Secretarias Municipais de Educação de Municípios Parceiros, pedagogos e professores em geral. O programa de combate ao trabalho infantil é coordenado, no Pará e Amapá, pelas juízas do Trabalho Zuíla Dutra e Vanilza Malcher.

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *