A Prefeitura de Belém está convidando os moradores da Cidade Velha à Consulta Pública sobre a reforma e revitalização do prédio ao lado da Igreja da Sé, onde por muito tempo funcionou a Fundação Cultural do Município de Belém (Fumbel).…

As eleições de 2022 coincidem com o bicentenário da Independência e os 90 anos de conquista do direito do voto feminino, ocorrida em 24 de fevereiro de 1932. Durante todo o Império, as brasileiras não puderam votar e somente 43…

O Ecomuseu da Amazônia, da Fundação Escola Bosque (Funbosque) promoveu no domingo, 25, na Ilha de Cotijuba, o roteiro patrimonial, pelo encerramento da 16ª Primavera dos Museus. Os visitantes conheceram o pólo do Ecomuseu, a história de Cotijuba, que passa…

A prefeitura de Portel, em parceria com a Secretaria de Estado de Desenvolvimento Agropecuário e da Pesca, lançou na sexta-feira passada (23) o projeto Marajó Sustentável, aliado ao Programa de Desenvolvimento da Cadeia Produtiva da Seringueira no Estado do Pará…

Programa imperdível

A soprano Doriana Mendes, a mezzo-soprano Daniela Mesquita, o tenor Geilson Santos e o barítono Luiz Kleber Queiroz, integrantes do Quarteto Colonial, interpretarão modinhas de Heitor Villa-Lobos na terça-feira, 24, a partir das 19h, no Parque Zoobotânico do Museu Emilio Goeldi, em homenagem ao cinquentenário de morte do grande compositor, celebrado em 2009.

Nascido a 5 de março de 1887, o carioca Heitor Villa-Lobos iniciou seus estudos de música aos seis anos de idade, quando ganhou de seu pai uma viola adaptada para que pudesse estudar violoncelo. Foi por meio de sua tia Fifinha que ele conheceu a obra do compositor alemão J.S. Bach, que lhe serviu como fonte de inspiração para a criação das nove Bachianas Brasileiras.

Criticado pela imprensa da época por conta da “modernidade” de sua música, o autodidata Villa-Lobos foi o responsável pela universalização das modas caipiras, ouvidas no interior brasileiro, através de sua obra. Autor de quase mil canções, foi considerado o maior compositor das Américas. Ele é responsável pela reformulação do conceito brasileiro de nacionalismo musical, do qual se tornou o maior expoente. Viajou o mundo e ocupou cargos estratégicos para a difusão da educação musical no Brasil. Morreu de câncer, também no Rio. Leia matéria completa no site do Uruá-Tapera.

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *