Começou hoje (27) às 8h e segue até às 17h a votação nas prévias do PSDB para escolher seu candidato à Presidência da República. O resultado, se tudo correr bem, deve ser anunciado às 20h. O partido passou a semana…

Em uma aula prática da Faculdade de Medicina da Unifamaz, ontem, o professor Marcus Vinícius Henriques de Brito, visivelmente impaciente com a aluna que deveria demonstrar intubação em um boneco, questionou a falta de lubrificação prévia do paciente, ao que…

Na quarta-feira passada, dia 24, a audiência pública na Comissão de Direitos Humanos e Minorias da Câmara Federal, em Brasília, era para discutir a gravíssima situação na Terra Indígena Yanomami, mas o clima de enfrentamento entre bolsonaristas e lulistas inviabilizou…

O prefeito Edmilson Rodrigues anunciou que Belém tem condições de fazer o Carnaval 2022, após reunião hoje (25) à tarde com representantes das escolas de samba e blocos carnavalescos. Ele acredita que com mais de 80% de pessoas vacinadas contra…

Preso dono da CBB por contaminar o Pará

Fotos: Letícia Miranda e Karina Lopes

A inédita prisão do empresário Pedro Antonio Pereira da Silva, dono da Companhia Brasileira de Bauxita-CBB/USPAM, pela contaminação causada no município de Ulianópolis, abre a porteira para futuras ações em um setor em que proliferam denúncias. O Ministério Público do Estado do Pará já acionou judicialmente outras 18 empresas, requerendo a responsabilização destas pelos danos causados ao meio ambiente e à população. Vejam quais são elas aqui.


Condenado na ação criminal nº 0000075-37.2004.8.14.0130, como incurso em crime ambiental e estelionato, desde 2002 Pedro Antônio estava sumido. Não prestou esclarecimentos em qualquer fase do processo. Mas anteontem o Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado – Gaeco – do Ministério Público do Estado de São Paulo – Núcleo Campinas, atendendo a pedido de colaboração do Gaeco do MPE-PA, conseguiu deter Pedro Antônio Pereira da Silva, cuja prisão preventiva estava decretada desde o dia 10 de novembro de 2014. 

Conforme os autos, o empresário foi responsável pela disposição inadequada de mais de trinta mil toneladas de rejeitos industriais em território paraense, recebidos entre 1999 a 2002 de várias multinacionais, substâncias em sua maioria de alta periculosidade, com elevado risco à saúde e à vida de quem manusear, mantiver contato prolongado ou ingerir. 

O grupo do MPPA é composto pelo procurador de justiça Nelson Pereira Medrado e promotores de Justiça Nilton Gurjão das Chagas, José Godofredo Pires dos Santos, Louise Rejane de Araújo Silva, Sabrina Daibes Sanches, Márcio Silva Maués de Faria, Brenda Corrêa Lima Ayan, Maria Cláudia Vitorino Gadelha e Artur Diniz Ferreira de Melo. 

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *