0

A Delegacia Especializada no Atendimento a Criança e ao Adolescente (Deaca) Santa Casa cumpriu mandado de prisão preventiva e busca e apreensão, nesta quinta-feira (7), em Ananindeua, contra um homem de 22 anos, por estupro de vulnerável. Foi também lavrado flagrante por armazenamento e compartilhamento de pornografia infantojuvenil.

O sujeito era investigado desde o ano passado, após denúncias de ter estuprado uma adolescente de 17 anos dentro do parque zoobotanico do Museu Paraense Emílio Goeldi, no centro de Belém.

A adolescente conversava com o sujeito por uma rede social. No dia do crime, a vítima estava no Museu Goeldi com amigos e informou sua localização a ele, que a levou a um local mais afastado, onde a estuprou.

O mandado foi expedido pela 1ª Vara Criminal de Inquéritos Policiais de Belém. Na casa do agressor também foi apreendido um smartphone e nele a equipe da Polícia Científica identificou pornografia infantojuvenil.

Ao longo das apurações também foi identificada uma segunda vítima de estupro, que na época da ocorrência era adolescente.

“Essa ação ressalta a importância das denúncias e do compromisso das autoridades em proteger as vítimas e responsabilizar os agressores. A PCPA continua em trabalho permanente para proteger o cidadão e garantir a justiça, declarou o delegado-geral Walter Resende.

“Foi a partir da denúncia da vítima que a gente pôde chegar no autor. Então ressalto a importância de denunciar para que a polícia possa atuar na prisão desses criminosos. Também é muito importante o cuidado com quem você conversa na internet”, alertou a titular da Deaca, delegada Karina Figueiredo.

Em nota, o diretor geral do Museu Emílio Goeldi, Nilson Gabas Jr., manifestou espanto com a situação.

“Tal fato não foi informado à instituição nem pela família da vítima e nem pelo órgão policial que apurou o crime. Não temos registros de episódios semelhantes no Museu Goeldi”.

“Dentro das limitações orçamentárias, o Museu Goeldi age para garantir a segurança das pessoas na área aberta à visitação pública. A instituição mantém vigilantes nas portarias, recepcionistas nas exposições, atendentes nos banheiros, mantém ronda periódica pela área aberta, etc.

O Museu Goeldi se orgulha de ser um local seguro, de encontro com a Ciência e a Natureza amazônica, de educação e lazer ecológico, de paz e cura.

Lamentamos profundamente que uma jovem tenha sido vítima de agressão, prestamos nossa solidariedade para a vítima e sua família. Também manifestamos a disponibilidade de ajudar em campanhas públicas de alertas aos jovens para identificar e se proteger de predadores virtuais. Pedimos ainda colaboração ao nosso público visitante se, porventura, testemunhe alguma situação suspeita, que alerte os vigilantes e recepcionistas em serviço no Parque Zoobotânico.”

Juiz Marcus Alan Gomes eleito para o TRE do Pará

Anterior

O farol que Eiró viu

Próximo

Vocë pode gostar

Mais de Notícias

Comentários

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *