Governador do Pará e presidente do Consórcio de Governadores da Amazônia Legal, Helder Barbalho está com agenda intensa em Brasília, e em reunião com Lula nesta sexta-feira (27) apresentou documento proposto pelo CAL. Para o desenvolvimento regional do bioma amazônico,…

O Papa Francisco nomeou o atual bispo da prelazia de Marajó (PA), Dom Evaristo Pascoal Spengler, bispo de Roraima (RR), que estava sem titular há um ano, desde a transferência de Dom Mário Antônio da Silva para a arquidiocese de…

Utilizar o futebol como ferramenta de transformação social para crianças e adolescentes de todo o Pará é o objetivo do projeto "Futebol Formando Cidadão", que será lançado neste domingo (29) no oeste paraense. A iniciativa é do Tapajós Futebol Clube,…

No próximo sábado, 28, é o Dia Nacional de Combate ao Trabalho Escravo. Esta semana, foram divulgados dados da Secretaria de Inspeção do Ministério do Trabalho e Emprego (MTE) referente a 2022, quando foram resgatados 2.575 trabalhadores em condições análogas…

Presença morta

“A política de saúde do governo do Estado vai desandar, pois, ao invés de estimular e criar infraestrutura para melhorar a atenção primária à saúde (com promoção à saúde e prevenção de doenças), só se preocupa com a alta complexidade, construindo hospitais e realizando transplantes nos hospitais regionais – Santarém, Marabá e Araguaia. O que é melhor: ter vários hospitais deficientes ou manter os atuais funcionando em sua plenitude? Ter transplantes funcionando precariamente em vários locais ou montar uma estrutura melhor em Belém? A população merece respeito.
Para piorar a saúde no Estado, o governador resolveu recriar um projeto já fracassado: a Secretaria Especial de Proteção Social, que vai responder, entre outros, pelo Hemopa, Santa Casa, Ofir Loyola e Gaspar Viana, um retorno ao velho fatiamento da saúde e, certamente, a uma política clientelista, tendo como moeda de troca essas instituições. Um atraso, pois ignora preceitos básicos do Sistema Único de Saúde (SUS), como uma rede regionalizada e hierarquizada; descentralização e atendimento integral com direção única em cada esfera do SUS. Só esperamos que não ressuscite também o a enganação do programa “Presena Viva”, que mais parecia “Presença Morta”, com tantos prejuízos que causou ao erário. Alguém precisa avisar ao governador que o SUS é um sistema único de saúde, e não múltiplo.”

(Do Sindicato dos Médicos do Pará, em sua coluna semanal.)

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *