Em uma aula prática da Faculdade de Medicina da Unifamaz, ontem, o professor Marcus Vinícius Henriques de Brito, visivelmente impaciente com a aluna que deveria demonstrar intubação em um boneco, questionou a falta de lubrificação prévia do paciente, ao que…

Na quarta-feira passada, dia 24, a audiência pública na Comissão de Direitos Humanos e Minorias da Câmara Federal, em Brasília, era para discutir a gravíssima situação na Terra Indígena Yanomami, mas o clima de enfrentamento entre bolsonaristas e lulistas inviabilizou…

O prefeito Edmilson Rodrigues anunciou que Belém tem condições de fazer o Carnaval 2022, após reunião hoje (25) à tarde com representantes das escolas de samba e blocos carnavalescos. Ele acredita que com mais de 80% de pessoas vacinadas contra…

Em 17 de dezembro de 1999, a Assembleia Geral das Nações Unidas designou o 25 de novembro Dia Internacional da Eliminação da Violência contra a Mulher. Passados 22 anos, os dados do 14° Anuário Brasileiro de Segurança Pública são aterrorizantes: por…

Prêmio Direitos Humanos a juiz santareno

O juiz federal do Trabalho santareno Jônatas Andrade, que atua na
Comarca de Marabá, vai receber no próximo dia 17 o Prêmio Direitos Humanos 2012, na categoria Erradicação do Trabalho
Escravo, concedido anualmente pela Secretaria de Direitos Humanos da
Presidência da República.
Como titular da Vara do Trabalho em Parauapebas – onde se tornou Cidadão
Parauapebense -, o magistrado se destacou no julgamento de ações em favor dos
trabalhadores na mina de Carajás, em uma das quais condenou a Vale a mais de R$100
milhões pelo não pagamento das horas in itíneres
(
tempo despendido pelo
empregado até o local de trabalho e retorno)
.
Titular da 2ª Vara do Trabalho de Marabá, ele foca no combate ao
trabalho escravo, nas regiões do sul e sudeste do Pará e sul do
Maranhão. É de sua iniciativa a criação do GAETE (Grupo Interinstitucional de
Erradicação do Trabalho Escravo), que envolve Justiça do Trabalho, MPT, Superintendência
Regional do Trabalho e Emprego, PF, MPF, Comissão Pastoral da Terra, Repórter
Brasil e outras entidades. Com os recursos oriundos das condenações de
fazendeiros escravocratas foi criado um fundo que apoia iniciativas como os projetos
Escravo Nem Pensar”, gestado pela Ong
Repórter Brasil, e “Monitoramento de Lideranças
Ameaçadas de Morte na Região
”, coordenado pela CPT da diocese de Marabá.

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *