Brega no Pará é coisa séria. Tem Brega Pop, Brega Calypso, Brega Marcante, Brega Saudade, Tecnobrega, Melody, Tecnomelody … Verdadeiro hino (música oficial dos 400 anos de Belém), não há quem desconheça o clássico Ao Por do Sol, eternizado na…

Uma reunião no Ministério Público do Estado do Pará colocou em pauta a situação caótica da Unidade de Conservação Estadual Área de Proteção Ambiental da Ilha do Combu, onde proliferam construções e empreendimentos comerciais irregulares, transporte fluvial desordenado, festas e…

O juiz federal Henrique Jorge Dantas da Cruz condenou a União e o Estado do Pará à obrigação de fornecer Cerliponase Alfa (Brineura®) a uma criancinha de quatro anos durante todo o período de tratamento, sem interrupção. O remédio deverá…

A Comissão de Fiscalização Financeira e Orçamentária da Assembleia Legislativa aprovou à unanimidade, hoje (15), as contas do governador Helder Barbalho relativas ao exercício de 2020. Conforme o relatório do presidente da CFFO, deputado Igor Normando (MDB), a receita bruta…

Prêmio Direitos Humanos 2021 do Canadá ao Projeto Saúde e Alegria

O Canadá celebra este ano oito décadas de relações bilaterais com o Brasil e entende o papel fundamental da sociedade na promoção dos direitos humanos, pluralismo e inclusão. A pandemia do novo coronavírus acentuou ainda mais a vulnerabilidade social e alimentar das populações amazônicas, historicamente excluídas das políticas públicas. Diante disso, no baixo, médio e alto Tapajós, o Projeto Saúde e Alegria direcionou as ações da campanha #ComSaudeeAlegriaSemCorona para apoiar os indígenas, que vivem em aldeias e comunidades, com hábitos de cultura comunitária, de convivência coletiva no dia a dia, para os quais é difícil explicar que não podem sair para as cidades mais próximas e comprar seu alimento.

Nas aldeias dos Munduruku no Médio Tapajós, que já enfrentam muitos problemas relacionados à pressão sobre seus territórios, como a invasão de garimpos ilegais, o projeto mobilizou parceiros para assegurar cestas básicas e material de pesca para facilitar o trabalho de jovens, evitando a saída da maioria de suas casas para buscar alimentos. Em parceria direta com a Associação Pariri dos Povos Munduruku dos Médio Tapajós, Dsei Rio Tapajós de Itaituba, mais de 1200 indígenas foram inicialmente beneficiados.

O projeto apoiou a estruturação de laboratórios de saúde em polos remotos do Alto Tapajós, incluindo equipamentos para atendimento de pacientes que precisam de monitoramento laboratorial, sem necessidade de ir até a cidade para a realização de exames, não somente no combate à Covid-19 como também para qualificar a assistência às gestantes (sobretudo o pré-natal), aos idosos, aos hipertensos e aos diabéticos, entre outras doenças endêmicas, urgências e emergências. Os serviços de saúde do Dsei também foram apoiados com oxímetros e cilindros de oxigênio a hospitais do município, além de investimentos nas áreas de energia solar, saneamento, banheiros e sistemas de abastecimento de água encanada.

Ter água em casa para consumo, lavar as mãos e manter a higiene na família nunca foi tão importante quanto em tempos de pandemia. Convivendo com a poluição do rio Tapajós em função dos garimpos ilegais, os Munduruku demandavam apoio para melhorar o acesso à água potável e o saneamento básico. Mas as restrições sanitárias impediam a continuidade das obras iniciadas em 2019. Foi preciso muita cautela e planejamento da equipe para a retomada das ações em 2021, que além das medidas de controle da Covid, com a realização de testes e higienização dos materiais, tiveram que enfrentar a complexa logística devido à distância das aldeias e condições de trafegabilidade das vias, para conseguir levar caminhões e balsas transportando kits de ajuda humanitária e materiais para construção das obras do Programa Cisternas que vem sendo implementado na região pelo PSA.

Assim, cento e doze famílias dos Munduruku do médio Tapajós puderam ter acesso à banheiros com fossas sanitárias em casa, sistemas de bombeamento de água, de captação e tratamento das águas das chuvas, e de distribuição através de redes hidráulicas até as casas.

Sistemas fotovoltaicos foram instalados nas aldeias Munduruku do médio Tapajós em Itaituba – Sawré Jaybu, Dace Watpu e Sawré Muybu, atendendo 51 famílias com energia solar para bombeamento de água, com apoio da Fundação Mott. As instalações reduziram a necessidade de óleo diesel usado em motores, economizando no custeio das operações.

 “Por meio desses laços de amizade, o diálogo entre nossas nações se enriqueceu, proporcionando trocas de experiências e colaborações para promoção dos direitos humanos nos dois países” e em reconhecimento pelo excelente trabalho na área de assistência aos povos indígenas em resposta à crise da Covid-19, a Embaixada do Canadá no Brasil outorga o Prêmio Direitos Humanos 2021 ao Projeto Saúde e Alegria”, escreveu a embaixadora Jennifer May.

O coordenador do Projeto Saúde e Alegria, Caetano Scannavino, compartilha o prêmio com parceiros e co-executores: o Conselho Indígena Tapajós Arapiuns, o Sindicato de Trabalhadores e Trabalhadoras Rurais de Santarém, a Associação Pariri dos Povos Munduruku dos Médio Tapajós, o Dsei Rio Tapajós, a Funai, e os apoiadores Fundo Casa, União Amazônia Viva, Embaixada do Canadá, Instituto Arapyaú e Programa Cisternas.

Iniciativa sem fins lucrativos que atua desde 1987 em comunidades da Amazônia brasileira com o objetivo de promover e apoiar processos participativos de desenvolvimento comunitário integrado e sustentável que contribuam de maneira demonstrativa no aprimoramento das políticas públicas, na qualidade de vida e no exercício da cidadania das populações atendidas, o Projeto Saúde e Alegria atende a cerca de tinta mil moradores de comunidades rurais de Santarém, Belterra, Aveiro e Juruti, municípios localizados no oeste do estado do Pará. As ações buscam soluções para seus problemas reais, incluindo saúde e saneamento básico; ordenamento territorial, fundiário e ambiental; organização social, cidadania e direitos humanos; produção agroextrativista e geração de renda; energias renováveis; economia da floresta, ecoturismo e artesanato; educação, cultura, comunicação e inclusão digital.

Em um trabalho lúdico e educativo, lideranças, produtores rurais, empreendedores, professores, agentes de saúde, mulheres, jovens e crianças se tornam multiplicadores das ações. Assim, a população participa ativamente do diagnóstico, do planejamento e do acompanhamento das ações, o que propicia a autogestão de seu desenvolvimento. O público atendido pelo PSA é composto, em sua maioria, por populações tradicionais distribuídas ao longo de rios e estradas, em comunidades de trinta a duzentas famílias, ocupando terras devolutas ou áreas de Assentamentos, Glebas e Unidades de Conservação.

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *