Nesta terça-feira (29) a presidente do Tribunal Regional Eleitoral do Pará, desembargadora Luzia Nadja Guimarães Nascimento, inaugura a sala da Ouvidoria da Mulher, espaço para sugestões, reclamações e denúncias relativas à violência contra à mulher, direitos políticos e à igualdade…

A praça do Mascate, na esquina da Av. Visconde de Souza Franco (Doca) com a Trav. Antônio Barreto, no bairro do Reduto, está sendo transformada em Praça Pet, espaço de lazer para os moradores e animais de estimação. O local…

Foi aberto ontem (25) um novo retorno para veículos no Km 08 da BR-316, perto de uma loja de peças de motos no sentido entrada de Belém, e em frente à Escola Raimundo Vera Cruz, no sentido de saída da…

A construção do muro de arrimo e urbanização da orla da Avenida Beira-Mar, em Salinópolis, avança ao longo de 1.200 metros de extensão. Gerenciadas pelo Governo do Pará, via Secretaria de Desenvolvimento Urbano e Obras Públicas, já foram executadas as…

Potencial aquaviário

A China investe 5% do PIB em infraestrutura, por isso cresceu, em média, 13%, nos últimos seis anos. No Brasil, só 0,3% do PIB vai para o setor, daí a ameaça de pane logística. Há necessidade urgente de interligação dos modais para eliminar gargalos e permitir maior competitividade dos produtos brasileiros no mercado internacional, bem como o desenvolvimento regional, já que os fretes hidroviários são 62% mais baratos do que os rodoviários, gerando economia para os cofres públicos. A prioridade é para os eixos considerados mais importantes para a economia, que são as hidrovias do rio Madeira (corredor Oeste-Norte), Guamá-Capim (corredor Araguaia-Tocantins); Tietê-Paraná (corredores Transmetropolitano do Mercosul e do Sudoeste), Paraguai (corredor do Sudoeste), São Francisco e as eclusas de Tucuruí e de Lajeado. Na região amazônica, o Ministério afirma que o PAC prevê, além da manutenção da navegabilidade nas hidrovias, a construção e reforma de 67 terminais hidroviários para atender embarcações fluviais, ao custo total de R$ 700 milhões. Além de mais eficiente e econômico, o transporte por hidrovias também gera menor impacto ambiental. O maior dano possível é a poluição do lençol freático pelo óleo derramado de embarcações mal conservadas, o que pode ser evitado através de manutenção periódica.

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *