Vanete Oliveira, 28 anos, mãe de cinco filhos, vive em Portel, município do arquipélago do Marajó(PA). Ela sofre há catorze anos dores atrozes além do desconforto, trauma e todo tipo de dor física e psicológica, por conta de um tumor…

As Diretorias de Combate à Corrupção e de Polícia do Interior da Polícia Civil do Pará prenderam hoje (28), no Distrito Federal, durante a Operação "Litania”, uma falsa empresária e sócios-proprietários que utilizavam empresa de fachada como instituição financeira para…

A Secretaria de Estado da Fazenda do Pará publicou extrato de dispensa de licitação para contratar a Prodepa, por R$800.427,88, a fim de desenvolver novo site da Transparência do Governo do Pará, com criação de nova arquitetura de informação, navegação…

Andar de motocicleta proporciona histórias, experiências e adrenalina. Motos oferecem facilidade de locomoção rápida e de conseguir estacionamento. Mas a liberdade é, sem dúvida, o motivo número 1 de todo motociclista. Sentir o vento, o clima, fazer parte da paisagem. Este é…

Posse de Célio Simões na APL

Na cerimônia, Célio com a esposa, os membros do IHGP e Vicente Fonseca

A Academia Paraense de Letras deu posse a Célio Simões de Souza na sua Cadeira n.º 26, patronímica de João de Deus do Rêgo, cujo último ocupante foi o saudoso Acyr Castro, e pela qual passaram Paulo Eleutério e Líbero Luxardo. Nascido em Óbidos (PA), tal qual os idealizadores da Academia Brasileira de Letras e da APL José Veríssimo (1857-1916) e Herculano Marcos Inglês de Sousa (1853-1918), além dos obidenses Augusto Corrêa Pinto e Ildefonso Guimarães, que também o antecederam na Academia, o advogado, cronista e memorialista Célio Simões, autor de “Um Abraço Apertado”, “Encontroversos”, “Recados da Memória”, “Um rio de Histórias” e “Um Pouco de Muitas Histórias”, já é membro do Instituto Histórico e Geográfico do Pará e da Academia Paraense de Jornalismo, do Instituto Histórico e Geográfico do Tapajós e da Academia Artística e Literária de Óbidos(que idealizou e fundou em 2009), da Academia Paraense de Letras Jurídicas e do Instituto dos Advogados do Pará, além de ex-juiz do TRE-PA pelo Quinto da OAB-PA, e um dos fundadores da ATEP/PA – Associação dos Advogados Trabalhistas do Pará. Sobretudo, Célio é um ser especial e muito querido por todos os que o conhecem.

Célio entre Avertano Rocha, Alcyr Meira e João Carlos Pereira
Na muito prestigiada solenidade de posse, presidida por Alcyr Meira, que teve na mesa oficial o prefeito Zenaldo Coutinho e os acadêmicos João Carlos Pereira e Vicente Malheiros da Fonseca, Célio Simões, que é mestre e personagem do imaginário amazônico, recebeu as vestes talares das mãos do filho, da nora e de sua esposa Fátima Augusta, seu amor há 42 anos. Em discurso emocionante, cheio de referências à infância e juventude na região oeste do Pará, lembrou da professora Córa Simões, sua tia materna, espécie de “Símbolo das Educadoras Obidenses”; da professora Maria Jeanett Valente do Couto, que o instou a fazer um jornal mural – denominado “Uirapuru – com mais quatro colegas, colando sobre folhas de cartolina imagens recortadas das extintas revistas “Manchete” e “O Cruzeiro”, sobre as quais teciam tímidos comentários; e ainda os tempos do Grupo Escolar José Veríssimo e do Colégio São José, criado em terras pauxis à imagem e semelhança do Colégio Dom Amando de Santarém, e das professoras Maria Lúcia Brito e Maria José Tavares Caluff. 
Célio com José Figueiredo de Sousa, Nazaré Mello Soares e Júlio Victor Moura, da APL
Célio entre Ruy e Graça Garcia, da APJ

Em janeiro de 1966, cumprindo o destino comum a todos os jovens ribeirinhos amazônidas-parauaras, Célio chegou em Belém para continuar seus estudos, no Colégio Paes de Carvalho. Queria fazer Agronomia. No interregno de três anos por força de trabalho em Marabá e Santarém, vivenciou os encantos do rio Itacaiúnas, as barcaças de castanha cavalgando as maretas do Tocantins, as cachoeiras hoje desaparecidas e no verão, a praia do Tucunaré. Em Santarém, aceitou convite do maestro Wilson Fonseca, o Isoca, para compor a equipe de um jornal mensal, impresso em mimeógrafo, onde atuou também o seu agora confrade José Wilson Malheiros da Fonseca (filho de Isoca), e no qual em 1970 iniciou a publicação das suas crônicas. 

Célio com Daniel Cruz e Evandro Antunes Costa, da ATEP

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *