O Instituto de Desenvolvimento Florestal e da Biodiversidade anunciou que vai reabrir no próximo dia 31 a Floresta Estadual de Trombetas, na Base do Jaramacaru, para a coleta da safra da castanha-do-Pará. Alega que discutiu a medida com a Secretaria…

Apesar de ser distrito insular de Belém, Caratateua - nome de origem Tupi Guarani que significa “Terra das Grandes Batatas” ou “Lugar das Muitas Batatas” (ali havia plantações de batata-doce em grande quantidade), com cerca de 80 mil habitantes distribuídos…

Primeira mulher a presidir – e ser reeleita com votação consagradora - a Tuna Luso-Brasileira, clube com 119 anos de existência, Graciete Maués, 72 anos, professora de Educação Física aposentada, assume interinamente a presidência da Federação Paraense de Futebol na…

A fiação elétrica emaranhada aos galhos de árvores na frente da Igreja de Nossa Senhora do Rosário dos Homens Pretos, entre as ruas Padre Prudêncio e Aristides Lobo, no bairro da Campina, em Belém do Pará, é o retrato da…

A polêmica de Belo Monte

Há mais de 30 anos se discute os prós e contras da hidrelétrica no rio Xingu. Prefeituras, governos estadual e federal e empresariado creem em desenvolvimento e apoiam a obra. Movimentos sociais, Igreja e Ministério Público são contra.


É preciso se despir de paixões e analisar friamente a questão. Alguns aspectos da maior importância estão fora do debate.


A usina pode custar até mais que R$ 30 bilhões, já no início da construção – pelo menos é o que a iniciativa privada diz. E se for paralisada em função da guerra judicial, seu custo será multiplicado. Também temos que atentar para o
modus operandi, a fim de não ser repetido o que houve quando da privatização da telefonia – o investimento foi estatal e o lucro, empresarial. O governo está oferecendo desconto de 75% no Imposto de Renda aos compradores, além de empréstimo substancial (80% da obra será financiada pelo BNDES)
.


Todo mundo está preocupado com o
inchaço populacional nas cidades da área de influência direta do projeto, que pode gerar bolsões de miséria e aumento da criminalidade, o que prejudicaria as políticas públicas. Entretanto, planejamento e gestão eficientes dão bons resultados. Paragominas, por exemplo, não abriga hidrelétrica nem qualquer enclave, e o próprio desenvolvimento que alcançou nos últimos anos atraiu muitos aventureiros, mas o município está conseguindo superar suas mazelas.

Em mais de 100 Km da Volta Grande do Xingu há corredeiras, comunidades indígenas e ribeirinhas, que dependem da pesca para sobrevivência. Elas temem que um dos trechos do rio seque e perca a navegabilidade, com proliferação de doenças, morte dos peixes e outros animais, além da flora, em razão da abertura de canais para a operação da usina.


Por outro lado, no projeto original, a área a ser inundada era de 1.200 Km2, agora é de 516 Km2. O EIA, com mais de 20 mil páginas, contém 40 condicionantes, entre as quais a obrigação do empreendedor de monitorar a vazão da água na Volta Grande para não prejudicar índios e ribeirinhos.
Todas as famílias que serão retiradas de suas casas serão indenizadas ou receberão outro imóvel.

Estudos mostram que o trecho perde vazão todos os anos no verão, e que a quantidade de água pode ser reduzida na época de seca natural, mas a navegabilidade não será afetada em função da obra. Contudo, a seca no Xingu pode ocorrer independentemente da usina, por fenômenos de mudanças climáticas.

É fundamental o apoio financeiro para enfrentar os impactos sociais e ambientais. O empreendimento vai contribuir para todo o Brasil, que precisa muito de energia elétrica. Nada mais justo que a devida contrapartida do governo federal para a região do Xingu e todo o Pará. E têm que ficar muito claras as responsabilidades de cada um – União e empreiteiras – no que tange às ações mitigadoras e medidas compensatórias.

É evidente que a usina não é a salvação, mas pode alavancar o desenvolvimento regional, ao potencializar os efeitos positivos, como eletrificação rural, asfaltamento de rodovias e vicinais, campanhas de saúde pública, saneamento básico, demarcação de reservas indígenas, fortalecimento do comércio e da agropecuária, além de incentivo à indústria, geração de emprego e renda e aproveitamento múltiplo dos recursos hídricos.

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *