Na terça-feira da semana passada (19), quando estava em votação no plenário da Assembleia Legislativa projeto de Indicação de autoria da deputada Professora Nilse Pinheiro transformando o Conselho Estadual de Educação em autarquia, detentora de autonomia deliberativa, financeira e administrativa,…

A desgraça sempre chega a galope, mas tudo o que é bom se arrasta indefinidamente no Brasil, o país dos contrastes e contradições, rico por natureza, com poucos bilionários e povo abaixo da linha da pobreza. Parece inacreditável, mas tramita…

O prefeito de Oriximiná, Delegado Willian Fonseca, foi reconduzido ao cargo pelo juiz titular da Vara Única daComarca local, Wallace Carneiro de Sousa, e literalmente voltou a tomar posse nos braços do povo. Era por volta do meio-dia, hoje (26),…

A equipe multidisciplinar do centro obstétrico da Fundação Santa Casa de Misericórdia do Pará, em Belém (PA), vivenciou uma experiência rara e emocionante: o parto empelicado. Imaginem um bebê nascendo dentro da placenta intacta, com os movimentos visíveis, praticamente ainda…

Ph.D inova com Medicina Tradicional Popular Amazônica

Qualquer parauara raiz pelo menos ouviu falar em “tirar quebranto”, “fazer uma reza”, “botar a junta no lugar”, “curar espinhela caída” ou “puxar dismentidura”. A medicina popular chinesa é reconhecida pela Organização das Nações Unidas (ONU) como patrimônio cultural da humanidade com o nome de Medicina Tradicional Chinesa. Já o termo Medicina Tradicional Popular Amazônica foi cunhado pela professora da Universidade do Estado do Pará Rosineide da Silva Bentes, líder do Grupo de Estudo e Pesquisa Socioambiental na Amazônia (Gepamazon), que lança hoje o volume “Amazônia – Meio Ambiente, Qualidade de vida, Saúde e Temas Afins”, às 14h, no Auditório Central do Campus da UEPA, em Santarém. “Fizemos pesquisas e verificamos que este é o termo adequado, capaz de apreender a longevidade dessa medicina na Amazônia, criada e utilizada por populares há séculos. A denominação ‘práticas culturais’, na nossa opinião, não consegue transmitir a sofisticação dos conhecimentos e procedimentos dela”, afirma. Rosineide Bentes é Ph.D. em História Social/Política Social pela London School of Economics and Political Sciences; mestra em Planejamento Interdisciplinar Internacional de Desenvolvimento do Trópico Úmido (NAEA/UFPA) e graduada em Serviço Social (UFPA). Após o doutorado na Inglaterra (1993-2003), por cinco anos residiu nos EUA (San Francisco, Davis, Santa Cruz e Milwaukee), onde lecionou em três universidades.

A programação do campus da UEPA em Santarém inclui palestras de autores dos capítulos da Série Vidas, organizada por Rosineide Bentes, onde se insere a obra em lançamento. O livro sustenta que a saúde consiste em um propósito subjetivo que se adeque a cada ser e sua vivência e que o bem-estar humano é intimamente ligado à qualidade ambiental em seu meio.

A coleção é integrada por cinco volumes, cada um tornando visível e dando voz a um tipo ou grupo social amazônida, ou tratando de uma problemática, numa perspectiva profissional solidária e colaborativa, transdisciplinar, dialogando com os conhecimentos populares. Em 2019, Rosineide lançou “A Medicina Tradicional Popular Amazônica e Temas Afins”, com conhecimentos sobre saúde provenientes de benzedeiras, pajés, “consertadeiras”, parteiras, ribeirinhos e povos tradicionais da Amazônia.

A partir da constatação de que as “práticas de cura” presentes nas sociedades amazônicas tradicionalmente são vistas por acadêmicos como “magias” ou “práticas” culturais, a coletânea de textos, entrevistas e relatos organizada pela docente da UEPA inova ao defini-las como Medicina Tradicional Popular Amazônia, apontando um sistema de técnicas propedêuticas bem elaboradas, que correlaciona dados anatômicos, fisiológicos, emocionais e espirituais em busca de um diagnóstico, tendo a terapêutica prescrita fundamentos fitoterápicos, massoterápicos e espiritualistas. “É uma medicina holística. Por ser espiritualista, a MTPA não pode ser compreendida através da perspectiva materialista biologista da medicina alopática. Novas possibilidades de abordagens podem ser encontradas na fenomenologia e na ciência quântica. Ao atender às recomendações da Organização Mundial da Saúde, o governo brasileiro criou políticas visando ao atendimento humanizado e à inclusão de fitoterápicos populares e de algumas terapias holísticas no SUS. Contudo, a dubiedade em relação à MTPA e seus terapeutas, dificultando o diálogo de saberes, reduz os benefícios que uma política dessa natureza poderia propiciar à saúde coletiva. Outra dificuldade está na impossibilidade de profissionais de saúde formados na visão biomédica dos processos de adoecimento e cura compreenderem, cientificamente, e valorizarem os conhecimentos dos terapeutas da MTPA.

Com mais de três décadas de pesquisa interdisciplinar sobre a Amazônia, focando em visões holísticas de adoecimento e cura; meio ambiente e saúde coletiva; problemas ambientais na Amazônia, Pan-Amazônia e internacionais, inclusive de natureza e tecnologia e a apropriação e utilização da terra na Amazônia brasileira, Rosineide Bentes também é formada nas terapias Reiki I, II e III e Cura Quântica e tem experiência pessoal de mais de 15 anos com tratamentos naturalistas e holísticos. Há mais de oito anos orienta trabalhos acadêmicos sobre as práticas espiritualistas de cura baseadas no uso da natureza – ou Medicina Tradicional Popular Amazônica. De 2013 a 2018 foi membro do Parque Científico e Tecnológico para Inclusão Social: rede de pesquisa, extensão e inovação tecnológica- PCTIS/UFAM/SECIS/MCTI.

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *