Hoje, dia 23 de julho de 2021 às 19h, o Instituto Histórico e Geográfico do Pará realizada a nona “Live em Memória” da programação alusiva aos 121 anos do Silogeu, desta vez em homenagem ao centenário de nascimento do Almirante…

A igreja de São Francisco de Assis em Belém do Pará, carinhosamente chamada pelos fiéis de "Capuchinhos", completará cem anos de sua inauguração em 02 de outubro de 2022. A abertura oficial das festividades será com um concerto na igreja…

O trânsito continua matando mais do que muitas guerras. A administradora Gina Barbosa Calzavara, coordenadora dos bosquinhos da Universidade Federal do Pará, fez uma emocionante homenagem à memória do jovem Jean Serique Lameira, esportista do ciclismo e que também usava…

O Laboratório de Engenharia Biológica do Parque de Ciência e Tecnologia - PCT Guamá está estudando o sequenciamento genético do açaí, de modo a assegurar a rastreabilidade de ponta a ponta na cadeia produtiva e padrões de qualidade para os…

PGR é favorável à regulamentação da Lei Kandir

Já tem parecer favorável do Procurador-Geral da República, Rodrigo Janot Monteiro de Barros, a Ação Direta de Inconstitucionalidade por Omissão (ADO 25/2013) do Governo do Pará, cobrando a regulamentação da lei Kandir pelo Congresso Nacional, com a definição dos critérios de compensação aos Estados que perdem receita por não serem tributados produtos para a exportação. Desde 2003, os princípios da desoneração e da compensação foram incluídos na Constituição Federal.
Porém, conforme argumentou o governador Simão Jatene ao presidente do STF, Joaquim Barbosa, na época: “Enquanto a desoneração passou a vigorar imediatamente, a compensação ficou sujeita à aprovação pelo Congresso Nacional de uma lei complementar disciplinando como se daria essa compensação e quem teria direito à essa compensação”. E até hoje necas de se regulamentar o tema. 

A ação tem como relator o ministro Gilmar Mendes, que já recebeu a manifestação da PGR no último dia 25. O parecer alinha que é possível estabelecer prazo razoável para que o Congresso aprove as leis necessárias, por exigência da Constituição. “Importa enfatizar esse aspecto. Não se está aqui a exigir do Legislativo determinada conduta por mera decisão ou opinião do Ministério Público ou do Judiciário. É a Constituição da República, o documento máximo da República Federativa do Brasil, que o exige. O que se busca aqui são formas de instar o Parlamento a cumprir o dever que a lei fundamental brasileira lhe impôs e que pende de observância”, destaca Janot. 

Jatene observa que as exportações representam 10% da economia dos Estados na média nacional, mas no caso do Pará são cerca de 30%, que estão desonerados. Assim, o Pará só pode tributar 70% de sua economia, e sem dúvida é o Estado que acumula as piores perdas.

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *