0

Em Novo Progresso, no sudoeste do Pará, Bruno Heller foi preso em flagrante nesta quinta-feira (3), durante a operação “Retomada”, que investiga registros fraudulentos de terras para desmatamento, no Pará e no Mato Grosso. Além disso, foram bloqueadas por ordem judicial 16 fazendas, 10 mil cabeças de gado e R$ 116 milhões pertencentes ao grupo criminoso do qual ele é apontado como chefe, além do sequestro de veículos de outros bens. A Polícia Federal há tempos investiga o esquema de invasão de terras da União e desmatamento para criação de gado.

As investigações tiveram início após a identificação, pela PF em Santarém (PA), do desmatamento de quase seis mil hectares na região do município de Novo Progresso. O inquérito policial aponta que o grupo criminoso frauda o Cadastro Ambiental Rural de áreas próximas às suas em nome de terceiros, principalmente de parentes. Em seguida, desmata essas áreas e as destina para criação de gado. Assim, os verdadeiros responsáveis pela exploração das atividades se sentem protegidos contra eventuais processos criminais ou administrativos.

A PF identificou que o preso e seu grupo se apossaram de mais de 21 mil hectares de terras da União. Além disso, já foi constatado o desmatamento de mais de 6.500 hectares de floresta, o equivalente a quase quatro Ilhas de Fernando de Noronha (PE), com indícios de um único autor ser o responsável pela destruição ambiental. Os danos são agravados pela ocupação de áreas circundantes a terras indígenas e unidades de conservação.

Bruno Heller já foi autuado onze vezes e recebeu seis embargos do Ibama por irregularidades, e perícias indicam danos ambientais ocasionados por suas atividades também na Terra Indígena Baú. As investigações continuam.

Fórum pelo Protagonismo Amazônida participa dos Diálogos Amazônicos

Anterior

Definida lista sêxtupla ao TJPA

Próximo

Vocë pode gostar

Mais de Notícias

Comentários

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *