O Procurador-Geral de Justiça César Mattar Jr. inaugurou nesta quinta-feira, 16, o Núcleo Eleitoral do Ministério Público do Estado do Pará, que vai funcionar na sede das Promotorias de Justiça de Icoaraci, distrito de Belém. O coordenador será o promotor…

A desembargadora Maria de Nazaré Saavedra Guimarães, que se destaca pelo belo trabalho que desenvolve à frente da Comissão de Ações Judiciais em Direitos Humanos e Repercussão Social do Tribunal de Justiça do Estado do Pará, e que já coordenou…

Brega no Pará é coisa séria. Tem Brega Pop, Brega Calypso, Brega Marcante, Brega Saudade, Tecnobrega, Melody, Tecnomelody … Verdadeiro hino (música oficial dos 400 anos de Belém), não há quem desconheça o clássico Ao Por do Sol, eternizado na…

Uma reunião no Ministério Público do Estado do Pará colocou em pauta a situação caótica da Unidade de Conservação Estadual Área de Proteção Ambiental da Ilha do Combu, onde proliferam construções e empreendimentos comerciais irregulares, transporte fluvial desordenado, festas e…

Personalidade emblemática

Emilia Snethlage foi uma das primeiras mulheres a cursar universidade na Alemanha e a primeira mulher a assumir, no Brasil e na América do Sul, a diretoria de uma instituição expressiva no meio científico. Doutora em História Natural em 1904, summa cum laude (máxima excelência), em 1905 veio ser pesquisadora do MPEG, onde trabalhou sob orientação do naturalista suíço Emílio Goeldi, na época diretor do Museu. Em 1914, Snethlage chegou a diretora do Goeldi, até 1917, quando o Brasil declarou guerra à Alemanha. Cessadas as hostilidades foi reempossada, e ficou no cargo até 1921. O “Catálogo das Aves amazônicas”, seu trabalho de maior destaque, inicia com um esboço da região amazônica e um resumo das explorações ornitológicas feitas pelos naturalistas Humboldt e Spix. Outro feito marcante de sua trajetória como zoóloga foi a travessia dos rios Xingu e Tapajós, em 1909, até então quase desconhecidos, acompanhada apenas por índios da região. Essa interessante personalidade é tema da dissertação de mestrado da historiadora Miriam Junghans, que será defendida ainda no primeiro semestre de 2009, prosseguindo na pesquisa em seu doutorado.

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *