Nesta quinta-feira, dia 21, até o sábado, 23, a Escola do Legislativo da Assembleia Legislativa do Pará oferece os cursos de qualificação e atualização do projeto Forma Alepa/Elepa Itinerante em Santarém, atendendo toda a região do Baixo Amazonas, abrangendo também…

Em reunião conjunta das Comissões de Fiscalização Financeira e Orçamentária (CFFO) e de Constituição e Justiça (CCJ) da Assembleia Legislativa, nesta segunda-feira (18) foi aprovado o projeto de lei nº 363/2021, que autoriza o Governo do Pará a contratar operação…

Não houve o célebre círio fluvial de Oriximiná no rio Trombetas este ano, por causa da pandemia, mas a imagem de Santo Antônio flanou pelas águas, levada pela comunidade de várzea do Rio Cachoeiry, que celebrou o verão depois da…

Aprender mais sobre as boas práticas Lixo Zero e como aplicá-las no dia a dia, repensando hábitos de consumo e inspirando a população a enxergar os seus resíduos com dignidade é o que propõe a programação que acontecerá entre os…

Pará pode perder compensação pela EFC


Mais uma vez o Pará corre o risco de perder compensações que lhe são devidas. A exemplo dos  recursos pelos impactos ambientais da UHE-Belo Monte, quando o governo federal destinou R$ 92 milhões – 71% dos R$ 126 milhões  – para o Parque Nacional do Jurena, localizado no Mato Grosso e Amazonas, a mais de 800 Km do empreendimento, agora o dinheiro pela renovação da outorga da Estrada de Ferro Carajás, da Vale, que está às vésperas de expirar, pode ser direcionado para bem longe dos cofres parauaras. O jogo de interesses é grande e ao invés de a classe política se unir em torno da defesa do Estado a iniciativa tem sido isolada.

O secretário de Estado de Desenvolvimento Econômico, Energia e Mineração, Adnan Demachki, defendeu ontem em Brasília que os recursos viabilizem a Ferrovia Paraense, já que a lei 13.448/2017 permite que o pagamento seja em investimentos.

Mas já circula a informação de que o dinheiro seria direcionado para a Ferrovia Transnordestina, planejada para ligar as regiões produtoras do Nordeste aos portos de Suape, em Pernambuco, e Pecém, no Ceará, obra que começou a ser construída em 2006 e só no TCU é alvo de sete investigações. Orçada em R$4,2 bilhões e prevista para ser inaugurada em 2010, já consumiu 6,3 bilhões mas assentou apenas metade dos trilhos e deverá ficar pronta em 2021, a um custo de R$11,2 bi.

A diferença se irá para lá ou virá para cá está na mobilização e força da classe política. E na capacidade de união suprapartidária. Como se vê, aliás, em outros Estados.

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *