A sesquicentenária samaumeira que perdeu seus galhos na madrugada desta segunda-feira (6) é memória afetiva de todos os paraenses e até de gente de fora do Pará e do Brasil que frequenta Belém durante o Círio de Nazaré. Localizada em…

O Tribunal Regional Eleitoral do Pará oficializou o resultado da eleição suplementar em Viseu 39 minutos após o encerramento da votação. Foi eleito prefeito Cristiano Vale (nº 11 – PP – Voltando pra Cuidar da Gente) e vice-prefeito Mauro da…

Nem bem foi inaugurado, e ainda faltando a instalação dos bancos e finalização, o calçadão da Avenida Beira-Mar, em Salinópolis, sofreu diversas avarias. A Secretaria de Desenvolvimento Urbano e Obras acionou a empresa responsável pela obra, que está executando ações…

A expectativa era grande em relação à ida do governador Helder Barbalho à Assembleia Legislativa para a leitura da Mensagem na instalação da 61ª Legislatura. Funcionou como uma espécie de termômetro da Casa, que abriga novos deputados na oposição, e…

Pará não é barriga de aluguel

“Nós não vamos repetir agora o que aconteceu com Tucuruí. Ficamos trinta anos para fazer as eclusas e até hoje temos pessoas atingidas pela barragem que não foram indenizadas pela Eletronorte. O Pará não é barriga de aluguel. O meu propósito na subcomissão é fazer a implantação de Belo Monte atendendo todas as condicionantes. Serão executadas em paralelo? Sim, mas elas terão de ser atendidas.
É um absurdo o que ocorreu já na primeira compra realizada pelo consórcio responsável pelas obras da Usina. A empresa que venceu a licitação para fornecimento de equipamentos pesados e maquinário, Sotreq, mandou que a nota fiscal e a compra fosse emitida pelas filiais de São Paulo e Espírito Santo. Todos os Estados brasileiros têm filiais ou revendedoras dessas fábricas. O que era lógico? Comprar os equipamentos nas revendas do Pará. Mas isso não está acontecendo. O prejuízo que o Pará vai ter nesse primeiro ato do consórcio Belo Monte é da ordem de R$200 milhões de ICMS, que, ao invés de entrarem no Estado do Pará, vão ficar em São Paulo e no Espírito Santo.
Mais grave ainda é a informação de que tal procedimento ocorreu por ordem dos diretores do Consórcio Norte Energia.  Não vão fazer isso. O governador Simão Jatene já determinou ao secretário de Fazenda que tome as providências, porque, além de imoral, é ilegal. O Consórcio Construtor está comprando como se fosse consumidor final, e não o é. Eles não vão lesar o Estado do Pará. Existe um ditado que diz que pepino, quando nasce torto, não tem jeito, morre torto. Então, é importante que Belo Monte não seja um pepino nascendo torto. Que nasça corretamente. Vamos corrigir e é possível fazer as correções.
Quem está sendo impactado é o Pará. A demanda de educação, de segurança, de saúde, de infraestrutura está sobre o Estado do Pará. Querem que o ICMS vá para São Paulo? Não é possível. É imoral e ilegal.”
(Senador Flexa Ribeiro(PSDB-PA), presidente da Subcomissão do Senado para Acompanhamento das Obras de Belo Monte.)

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *