Membro da Academia Brasileira de Ciências Contábeis (Abracicon), a professora doutora Leila Márcia Elias participou recentemente do Congresso Internacional de Contabilidade da Universidade de São Paulo. Como parte da programação do Núcleo de Contabilidade e Meio Ambiente da USP, que…

Shäron Moalem, médico que ficou conhecido mundialmente por prever no começo da pandemia da Covid-19 que mais homens morreriam vítimas do vírus do que mulheres, diz que o sexo feminino é mais forte que o masculino quanto à sobrevivência, assim…

No período de 10 a 28 de agosto, o navio-hospital-escola Abaré começa nova expedição, oferecendo a 75 comunidades do rio Tapajós nos municípios de Santarém, Aveiro e Belterra serviços de atenção básica à saúde: consultas médicas, odontológicas e de enfermagem,…

O IV Distrito Naval da Marinha do Brasil ativou nesta quarta-feira (4), o Grupo de Embarcações de Operações Ribeirinhas do Norte uma nova Organização Militar em Belém (PA), com propósito de contribuir para a aplicação do Poder Naval na área…

Os extintores ABC e o Febeapá


Todos os brasileiros lembram muito bem de quando o governo federal exigiu o kit de primeiros socorros como item obrigatório nos veículos automotores. Em pouco tempo, ficou provado que em caso de acidentes graves não socorreria a  qualquer vítima e se tornaram obsoletos, isto depois de muita correria para comprar e aplicação de milhares de multas nos desavisados. Agora o Contran obriga que todos os carros devem estar equipados com os novos extintores ABC, sob pena de multas altíssimas! Só que os tais extintores estão em falta no mercado e os fabricantes pedindo prazo de 60 até 90 dias para entrega do produto, o que vai causar sérios problemas para os proprietários de veículos e aumento da arrecadação dos Detrans. Impõe-se que o Ministério Público Federal tome providências judiciais, de modo a evitar graves prejuízos à população. 

É importante lembrar que o extintor serve só para princípios  de incêndio e que deve ser utilizado com a agilidade que a situação requer. Mas a maioria absoluta dos condutores de veículos não está treinada para usar o equipamento, e muitos sequer sabem a sua localização no interior do carro. Ademais, a carga é muito pequena, dura apenas alguns segundos. Então, o sujeito que não está treinado para retirar o extintor,  nem o lacre, e muito menos utilizá-lo corretamente, fará o que? 

Diante da falta do produto no mercado, tem gente criativa querendo carregar extintor predial ABC de 4Kg no porta- malas. Fazer o que?

Aliás, assim como 99.9% dos motoristas e não motoristas brasileiros desconhecem este manuseio, o mesmo acontece nos condomínios residenciais, nos quais os moradores não sabem nem o que é uma porta corta-fogo, porque não têm treinamento algum. 

É oportuno perguntar, também, o que irão fazer com extintores descartados no lixo, pois será de responsabilidade de cada proprietário. Será que haverá fiscalização? Ou será uma nova forma de ludibriar o consumidor e poluir ainda mais o meio ambiente? Quem está lucrando com isso? A quem interessa determinadas leis, resoluções e portarias ? 

É de se frisar, ainda, que se a intenção é de fato proteger o distinto cidadão, o governo deve, no mínimo, obrigar os fabricantes do novo item obrigatório a veicularem campanha educativa, em todos os meios de comunicação social, no País inteiro, acerca da correta utilização dos ditos extintores.

O blog dá logo a sua contribuição. O que consta nos rótulos, como instrução: após o destravamento dos lacres, o extintor deve ser utilizado na posição vertical, o jato deve ser direcionado para a base (foco) do fogo, e o uso deve ser contínuo e intermitente. O que não é dito nos rótulos mas é recomendado pelos Bombeiros: não deve ser aberto o capô do veículo, a fim de evitar a entrada de oxigênio em quantidade que alimente o fogo. 

E, a título de colaboração e incentivo, eis o previsto no art. 72 e 73 do Código de Trânsito Brasileiro (Lei 9503/97): 
Art. 72. Todo cidadão ou entidade civil tem o direito de solicitar, por escrito, aos órgãos ou entidades do Sistema Nacional de Trânsito, sinalização, fiscalização e implantação de equipamentos de segurança, bem como sugerir alterações em normas, legislação e outros assuntos pertinentes a este Código. 
Art. 73. Os órgãos ou entidades pertencentes ao Sistema Nacional de Trânsito têm o dever de analisar as solicitações e responder, por escrito, dentro de prazos mínimos, sobre a possibilidade ou não de atendimento, esclarecendo ou justificando a análise efetuada, e, se pertinente, informando ao solicitante quando tal evento ocorrerá.”

Ah! Outra do Festival de Besteira que Assola o País, o Febeapá, como já diagnosticava o saudoso cronista, escritor, radialista e compositor Sérgio Porto, o Stanislaw Ponte Preta: quem não trocou suas tomadas de energia elétrica pelos novos padrões morreu eletrocutado.

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *