O procurador do Ministério Público do Trabalho Sandoval Alves da Silva tomou posse na chefia da Procuradoria Regional do Trabalho da 8ª Região para o biênio de 2021-2023 enfatizando o papel decisivo do MPT na garantia dos direitos humanos. O…

Prevaleceu o bom senso e o cuidado com as pessoas. O prefeito Edmilson Rodrigues ouviu o secretário municipal de Saúde, Maurício Bezerra, e técnicos responsáveis pela vacinação e enfrentamento à Covid-19, e cancelou os desfiles das escolas de samba, blocos…

Começou hoje (27) às 8h e segue até às 17h a votação nas prévias do PSDB para escolher seu candidato à Presidência da República. O resultado, se tudo correr bem, deve ser anunciado às 20h. O partido passou a semana…

Em uma aula prática da Faculdade de Medicina da Unifamaz, ontem, o professor Marcus Vinícius Henriques de Brito, visivelmente impaciente com a aluna que deveria demonstrar intubação em um boneco, questionou a falta de lubrificação prévia do paciente, ao que…

Operação Asfixia contra desvios do SUS no Pará

Estelionato, associação criminosa, corrupção ativa e passiva, agiotagem, falsificação de documentos públicos, falsidade ideológica, fraudes. São muitos os embasamentos da Operação Asfixia, que mobilizou hoje cedinho 150 policiais federais, divididos em 37 equipes, que cumpriram em Belém, Marabá, Parauapebas e Xinguara 51 medidas judiciais: 5 prisões preventivas, 3 prisões temporárias, 9 conduções coercitivas e 35 mandados de busca e apreensão, em empresas, cartórios, órgãos públicos e secretarias vinculadas às prefeituras de Marabá, Parauapebas e Xinguara.

O “X”da questão é esquema criminoso em licitações públicas de gases destinados a hospitais, operado por um grupo de empresários e funcionários públicos. A PF estima que tenham sido desviados mais de R$ 30 milhões. O caráter competitivo dos certames licitatórios eram fraudados, com o direcionamento das exigências do edital de maneira a favorecer apenas uma das empresas participantes do  consórcio criminoso. Após a vitória de uma delas, as “perdedoras” eram subcontratadas pela vencedora. Também foi detectado alto grau de influência junto a órgãos e a servidores públicos federais, estaduais e municipais. 

Os indiciados criaram empresas de fachada, algumas registradas em nome de “laranjas”, a fim de dificultar o rastreamento dos reais proprietários. A quantidade de recursos públicos desviados foi tal que um parecer do Conselho Municipal de Saúde de Parauapebas chegou a afirmar que a quantidade de gases contratada para seis meses daria para abastecer, por um ano, a cidade de Goiânia(GO), que é muitíssimo maior e mais populosa. 

Em três anos, os investigados faturaram mais de R$ 30 milhões.
Dentre os bens apreendidos e perdidos pelos criminosos, há carros de luxo, aeronaves (aviões e helicópteros), uma lancha avaliada em mais de R$ 700 mil, além de uma fazenda com pista de pouso para jatos executivos. O patrimônio foi adquirido a partir do desvio de recursos públicos do SUS. 

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *