Barcos regionais a motor, veleiros, vigilengas, rabetas, bajaras, canoas ubás, igarités, catraias, botes fazem parte da memória afetiva, produtiva e econômica parauara, navegando pelo oceano Atlântico, baías, rios que mais parecem mares, lagos, igarapés, furos, estreitos, igapós e campos alagados…

Embora o Quartel Tiradentes esteja localizado no coração do bairro do Reduto, sediando o 2º BPM e duas Companhias da Polícia Militar do Pará, os meliantes parecem desafiar abertamente os policiais. Os assaltos no bairro continuam muito frequentes, principalmente no…

Douglas da Costa Rodrigues Junior, estudante de Letras - Língua Portuguesa da Universidade Federal do Pará e bolsista do Museu Paraense Emílio Goeldi, ganhou a 18ª edição do Prêmio Destaque na Iniciação Científica e Tecnológica na área de Ciências Humanas…

O Ministério Público do Trabalho PA-AP abrirá na segunda-feira inscrições para Estágio de Nível Superior. A seleção será destinada ao preenchimento de vagas e formação do quadro de reserva de estagiários dos cursos de Administração/Gestão Pública, Biblioteconomia, Direito, Jornalismo, Publicidade/Propaganda…

Operação Arapaima terá desdobramentos


Salvem-se os arpões e as zagaias! Tem muita gente nervosa com as investidas da Polícia Federal no seio da pesca, principalmente em território parauara. Não é à toa. O Pará é o Estado com maior número de fraudes identificadas no seguro-defeso, em todo o Brasil. No Ministério Público Federal, há procurador da República que ocupa 80% de suas atividades só com o tema. A operação Arapaima ainda terá desdobramentos, com novas prisões e busca e apreensão de documentos. Estas foram algumas das declarações, há pouco, do consultor jurídico do Ministério do Meio Ambiente, Mauro Ó de Almeida, que é paraense, em reunião-almoço na Assembleia Legislativa do Pará, presidida pelo deputado Márcio Miranda(DEM) e requerida pelo deputado Carlos Bordalo(PT), para discutir a questão. Mauro Ó de Almeida justificou a Portaria Interministerial 192/2015, do MAPA e do MMM, dizendo que “não foi elaborada do dia para a noite” e é fruto de estudos técnicos, mas garantiu que o Ministério do Meio Ambiente está aberto a novos estudos que mostrem prejuízos ao ecossistema. Adiantou, ainda, que a santarena Socorro Pena, ex-secretária de Estado de Pesca e Aquicultura do Pará, foi convidada a participar do grupo de trabalho que analisa o tema, em Brasília.

Já o diretor da Secretaria de Estado de Desenvolvimento Agropecuário e da Pesca, Ediano Sanders, sustentou que a suspensão do período de defeso na bacia do rio Amazonas é uma temeridade e que o governo federal não estudou adequadamente as particularidades em todo o País, antes de editar a Portaria, e sequer consultou o Comitê Permanente de Gestão e Uso Sustentável de Recursos Pesqueiros, do qual ele é membro. 

O seguro-defeso é um benefício no valor de um salário mínimo por mês concedido pelo governo federal ao pescador profissional artesanal durante o período de paralisação da pesca para preservação das espécies. Este ano, o programa alcança R$ 3,4 bilhões, indicando cerca de 1 milhão de pescadores artesanais, número que diverge do censo oficial, o que implica a revisão dos critérios de elegibilidade. O Ministério da Agricultura alega que, durante o período de suspensão, vai recadastrar os pescadores artesanais que recebem o benefício e revisar os períodos de defeso.

O professor Rubens Cardoso, vice-reitor da UEPA, e Sílvio Vizeu, gerente executivo do INSS, também participaram da reunião. Semas, Ibama, Ufra, MPF e MPE-PA, apesar de convidados, não compareceram.

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *