A juíza Sara Augusta Pereira de Oliveira Medeiros, titular da 3ª Vara Cível, Infância e Juventude, Órfãos, Interditos e Ausentes de Castanhal (PA) exarou uma sentença emblemática, em plena Semana da Pessoa com Deficiência: obrigou a Escola Professor Antônio Leite…

Observando que é irracional o deslocamento de grande quantidade de pacientes em busca de tratamento, o Ministério Público do Pará ajuizou Ação Civil Pública contra o Estado do Pará e o Município de Marabá, para a criação de Unidade de…

O governador Helder Barbalho sanciona hoje à noite, em cerimônia no auditório do Centur, o 'Vale Gás' e o 'Água Pará', destinados a famílias de baixa renda ou em situação de vulnerabilidade social. Ambos serão gerenciados e fiscalizados pela Secretaria…

Ciclistas liderados pelo grupo Pedal Mulher Nota 100, com apoio de alunos e voluntários da Universidade Federal do Pará e da Academia Paraense de Jornalismo, realizarão uma performance, nesta quinta-feira (23), das 8h às 10h, a fim de chamar a…

Obra rara furtada volta ao Museu Goeldi

Vejam que notícia ótima: depois de seis anos de busca, a obra Rerum Medicarum Novae Hispaniae, escrita em latim por Francisco Hernandez, em 1628, e furtada em 2008 da Coleção de Obras Raras, vai ser devolvida ao Museu Paraense Emílio Goeldi, cujo diretor, Dr. Nilson Gabas Jr., recebe-a das mãos do delegado da polícia federal Adalton Martins na quarta-feira, 19, às 16h, na Biblioteca Domingos Soares Ferreira Penna, graças à consciência de um livreiro de Nova York, que desconfiou da procedência, checou um site para verificar se o título estava na lista de obras roubadas e acionou o FBI. 

Francisco Hernandez era um médico e botânico espanhol, pioneiro no estudo da saúde no novo continente. O Museu Goeldi descobriu o furto desse e outros livros datados dos séculos 17, 18 e 19 durante um treinamento para manuseio e curadoria das coleções no dia 17 de dezembro de 2008, ao final do expediente.  

Idealizada por Domingos Soares Ferreira Penna e concretizada em 1894 por Emílio Goeldi, a biblioteca funciona no campus de pesquisa do MPEG, na Av. Perimetral, em Belém. Tem cerca de três mil obras raras em uma sala cofre. O usuário interessado em consultar o acervo precisa se identificar previamente ao curador e, ao ser aprovado o pedido, preencher formulário com dados documentais. O visitante recebe luvas, máscaras e recomendações de restrições a fotografar e filmar, e fica o tempo todo acompanhado por um servidor até terminar sua consulta. Referência nas áreas de Antropologia, Arqueologia, Botânica, Ciências da Terra, Ecologia, Linguística e Zoologia relacionados à Amazônia, a biblioteca atende público especializado e de caráter acadêmico e científico. Seu acervo é composto por livros, periódicos, folhetos, separatas, mapas, CDs, fotografias, filmes, fitas e microfilmes.

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *