Membro da Academia Brasileira de Ciências Contábeis (Abracicon), a professora doutora Leila Márcia Elias participou recentemente do Congresso Internacional de Contabilidade da Universidade de São Paulo. Como parte da programação do Núcleo de Contabilidade e Meio Ambiente da USP, que…

Shäron Moalem, médico que ficou conhecido mundialmente por prever no começo da pandemia da Covid-19 que mais homens morreriam vítimas do vírus do que mulheres, diz que o sexo feminino é mais forte que o masculino quanto à sobrevivência, assim…

No período de 10 a 28 de agosto, o navio-hospital-escola Abaré começa nova expedição, oferecendo a 75 comunidades do rio Tapajós nos municípios de Santarém, Aveiro e Belterra serviços de atenção básica à saúde: consultas médicas, odontológicas e de enfermagem,…

O IV Distrito Naval da Marinha do Brasil ativou nesta quarta-feira (4), o Grupo de Embarcações de Operações Ribeirinhas do Norte uma nova Organização Militar em Belém (PA), com propósito de contribuir para a aplicação do Poder Naval na área…

O tráfico de pessoas no Brasil

Levantamento da ONU mostra a região Norte brasileira com maior número de rotas interestaduais de tráfico de seres humanos. O Nordeste vem em segundo, com 52 rotas.
O livro “Mulheres e homens trabalhando pala paz e contra o tráfico de mulheres e a violência sexual”, publicado este ano, traz o Amapá com 52 possíveis portas de entrada e saída para estas organizações criminosas, 
das 76 identificadas pelas autoridades brasileiras. Realizada entre os anos de 2013 e 2014, a pesquisa de Vera Vieira e Clara Charf, professora doutora da Universidade de São Paulo (USP) e presidente da ONG Associação Mulheres pela Paz, respectivamente, abrangeu nove regiões fronteiriças do País. A publicação reservou um capítulo para falar sobre o tema “Macapá, a vulnerabilidade das fronteiras com o Suriname e Guiana Francesa”.

O governo do Amapá iniciou as discussões para estabelecer uma estratégia de combate a essa máfia, com a Semana Nacional de Enfrentamento ao Tráfico de Pessoas, que abriu anteontem, 27. As atividades fazem parte da Campanha Coração Azul, do Ministério da Justiça, que visa sensibilizar e aumentar a participação da sociedade e entidades públicas e privadas contra este tipo de crime. 

No ano passado, em Macapá, um idoso de 70 anos foi preso no canal das Pedrinhas quando já embarcava para o interior do Pará levando uma criança de nove anos de idade que ele havia comprado por R$ 6 mil. O aliciador conseguiu escapar. Também em 2014, uma jovem colombiana foi aliciada por traficantes haitianos em São Paulo sob a falsa promessa de um salário atrativo para trabalhar como empregada doméstica em casas de família na Guiana Francesa. A vítima teve a sorte de conseguir escapar e cruzou a fronteira de volta para o lado brasileiro, onde ficou refugiada por três dias em uma igreja do município de Oiapoque. Ela revelou que na ida para o departamento ultramarino francês passou pela capital amapaense, para onde foi encaminhada após a fuga. À época, foi acolhida pela rede de atendimento e enviada de volta a São Paulo. 

Esse é um crime quase invisível, daí a maior dificuldade de combate. E não é apenas para a exploração sexual que crianças, adolescentes e adultos são aliciados. Há ainda outras terríveis destinações do comércio ilegal de seres humanos, como a remoção de órgãos e tecidos e a adoção ilegal de crianças. Mães solteiras são alvos preferenciais, porque estão em situação de vulnerabilidade e querem sustentar os filhos. 

O mapa mundial do tráfico coloca o Brasil como o maior exportador ilegal de órgãos humanos. Conforme o estudo, da ONU, além de Estados Unidos e Israel, nos países da Europa são realizadas as cirurgias ilegais clandestinas para retirada dos órgãos. 

O Brasil não tem uma legislação específica para o tema. Todos os registros são configurados em outros artigos do Código Penal Brasileiro, como exploração sexual, aliciamento e cárcere privado, entre outros. Tramita na Câmara dos Deputados o projeto de lei 7370/2014, que propõe a tipificação do tráfico humano no Brasil. A minuta  prevê pena para estes casos de até 8 anos de prisão, além de multa. A aprovação do projeto seria um grande avanço. A motivação e a organização de quem trafica pessoas reside na impunidade ou sentença branda.

No Pará e Amapá, a Comissão Justiça e Paz da CNBB Norte II atua com firmeza nessa questão, realizando palestras educativas, estimulando denúncias, acompanhando investigações e oferecendo apoio às vítimas.

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *