Vanete Oliveira, 28 anos, mãe de cinco filhos, vive em Portel, município do arquipélago do Marajó(PA). Ela sofre há catorze anos dores atrozes além do desconforto, trauma e todo tipo de dor física e psicológica, por conta de um tumor…

As Diretorias de Combate à Corrupção e de Polícia do Interior da Polícia Civil do Pará prenderam hoje (28), no Distrito Federal, durante a Operação "Litania”, uma falsa empresária e sócios-proprietários que utilizavam empresa de fachada como instituição financeira para…

A Secretaria de Estado da Fazenda do Pará publicou extrato de dispensa de licitação para contratar a Prodepa, por R$800.427,88, a fim de desenvolver novo site da Transparência do Governo do Pará, com criação de nova arquitetura de informação, navegação…

Andar de motocicleta proporciona histórias, experiências e adrenalina. Motos oferecem facilidade de locomoção rápida e de conseguir estacionamento. Mas a liberdade é, sem dúvida, o motivo número 1 de todo motociclista. Sentir o vento, o clima, fazer parte da paisagem. Este é…

Íntegra do relatório final da Comissão Nacional da Verdade

O relatório final da Comissão Nacional da Verdade, documento da maior importância para o resgate da memória nacional, está concluído e entregue à sociedade brasileira. O primeiro volume, em dezoito capítulos e 199 páginas, que trata dos antecendentes históricos, experiência internacional e atividades da Comissão da Verdade, além da investigação sobre as mortes dos presidentes Juscelino Kubitschek e João Goulart e do educador Anísio Teixeira, pode ser acessado aqui. 

O segundo tomo, que trata das graves violações dos direitos humanos, apresentando o contexto histórico, com relato do primeiro atentado armado à ordem constitucional de 1946, golpe e contragolpe em 1955, o governo Juscelino Kubitschek, o golpe de 1961, ensaio geral para 1964, o golpe de 1964, o segundo ato fundador da autodesignada Revolução, a ditadura: política de controle, órgãos e procedimentos da repressão política, a criação do SNI, órgãos de repressão do Exército, centros de informações das Forças Armadas, os Departamentos Estaduais de Ordem Política e Social(DOPS), a participação do Estado brasileiro em graves violações no Exterior, informantes e codinomes, colaboração do governo britânico, conexões internacionais: a aliança repressiva no Cone Sul e a Operação Condor e vítimas, está disponível aqui.

A parte III, que pode ser lida aqui, revela um quadro conceitual das graves violações, com as prisões, torturas e execuções sumárias, arbitrárias ou extrajudiciais e outras mortes imputadas ao Estado, desaparecimento forçado e ocultação de cadáver, violência sexual, de gênero e contra crianças e adolescentes, e casos emblemáticos.

Na parte IV, está exposta a repressão contra militares, trabalhadores, sindicalistas, camponeses e indígenas, violência e terrorismo de Estado contra a sociedade civil, a guerrilha do Araguaia, a estrutura clandestina, e o Judiciário na ditadura. Vejam aqui.

A parte V traz conclusões e recomendações. Vejam aqui.

O volume II do relatório final da Comissão da Verdade traz, aqui, a memória das violações dos direitos humanos no meio militar, em relação aos trabalhadores, aos camponeses, às igrejas cristãs, aos povos indígenas e nas universidades, traçando painel acerca de ditadura e homossexualidade, listando civis que colaboraram com a ditadura e mostrando a resistência da sociedade civil às graves violações de direitos humanos.

No volume III, sobre mortos e desaparecidos, eis a introdução, aqui. De 1950 a 1969, vejam a lista aqui. De 1970 a 1971, aqui. De 1972 a maio de 1973, aqui. De junho de 1974 a abril de 1974, aqui. De maio de 1974 a outubro de 1985, aqui.


Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *