O procurador do Ministério Público do Trabalho Sandoval Alves da Silva tomou posse na chefia da Procuradoria Regional do Trabalho da 8ª Região para o biênio de 2021-2023 enfatizando o papel decisivo do MPT na garantia dos direitos humanos. O…

Prevaleceu o bom senso e o cuidado com as pessoas. O prefeito Edmilson Rodrigues ouviu o secretário municipal de Saúde, Maurício Bezerra, e técnicos responsáveis pela vacinação e enfrentamento à Covid-19, e cancelou os desfiles das escolas de samba, blocos…

Começou hoje (27) às 8h e segue até às 17h a votação nas prévias do PSDB para escolher seu candidato à Presidência da República. O resultado, se tudo correr bem, deve ser anunciado às 20h. O partido passou a semana…

Em uma aula prática da Faculdade de Medicina da Unifamaz, ontem, o professor Marcus Vinícius Henriques de Brito, visivelmente impaciente com a aluna que deveria demonstrar intubação em um boneco, questionou a falta de lubrificação prévia do paciente, ao que…

O problema é de todos nós

Vejam como é possível a sociedade se engajar: hoje, o diretor da
Associação Brasileira de Indústria de Hotéis, Carlos Acatauassú Freire, disse
que a rede hoteleira está contribuindo com a campanha “Aqui respeitamos os direitos humanos”, que combate a exploração
sexual contra crianças e adolescentes. O empresário revelou que a Abih/PA está sensibilizando
hóspedes, empregados e pessoas envolvidas direta e indiretamente na cadeia do
negócio, e que 18 hotéis já aderiram à campanha, representando 85% da rede
hoteleira. Os dados foram apresentados durante Seminário na sede do Ministério
Público em Belém do Pará.
O procurador do Ministério Público do Trabalho Rafael Dias Marques,
conferencista no evento, defende com veemência que “não basta a responsabilidade criminal, mas também a responsabilidade
civil dos agressores, acrescida com a perda patrimonial. Assim o combate se
torna mais eficaz contra aqueles que praticam violência sexual e exploração do
trabalho de crianças e adolescentes. O MPT dispõe hoje de R$100 milhões,
relativos a indenizações resultantes da condenação de empresários por conta do
trabalho escravo. Estamos ampliando este procedimento para reparação
patrimonial às vítimas (família e o menor) de violência sexual e relação de
trabalho
”.

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *