Os dirigentes do Sindicato e da Associação dos Servidores da Assembleia Legislativa festejaram o resultado da reunião de hoje com o presidente da Alepa, deputado Chicão, que também convidou para o encontro o Chefe de Gabinete da Presidência, Reginaldo Marques…

A Administração Superior do Ministério Público do Pará está empenhada em fortalecer a atuação dos promotores de justiça no arquipélago do Marajó, onde a situação de extrema pobreza, agravada pela pandemia, perpetua crimes gravíssimos como os abusos e exploração sexual…

“A Prefeitura de Belém, por meio da Comissão de Defesa Civil de Belém, informa que realizou vistoria técnica no bloco B do imóvel localizado na avenida Presidente Vargas, 762, no dia 11 de fevereiro, às 9h, em conjunto com representantes…

DEM e PSL ainda nem consumaram a fusão, prevista para outubro deste ano, mas a briga já é de foice. O ex-presidente do Senado Davi Alcolumbre e o ex-prefeito de Salvador ACM Neto duelam nos bastidores pelo comando do novo…

O Pará vilipendiado

Mais uma vez o Pará foi levado no bico. Ontem, 20 de dezembro, data marcada pela enésima vez para lançamento da licitação do derrocamento do Pedral do Lourenço, obra que viabilizará a hidrovia Tocantins-Araguaia, de importância estratégica nacional, porque interliga cinco Estados brasileiros e de alto significado socioeconômico para o Pará,  nada foi lançado, a não ser novo tapa na cara dos parauaras. Agora o prazo é para daqui a 40 dias. E os parlamentares e o governo paraense ficaram mudos e quedos. É por isso que temos um Estado rico e um povo miserável. 

Na LOA – Lei do Orçamento Anual, que acaba de ser aprovada pela Alepa, é estimada uma receita de R$21,7 bilhões. Desse total, 51% decorrerão do esforço de arrecadação própria do governo estadual, 35% virão de transferências e os 18% restantes terão como fonte as operações de crédito, as receitas da administração indireta e as receitas intra-orçamentárias. Excluídas as deduções previstas para o Fundeb – Fundo de Desenvolvimento do Ensino Básico, a receita orçamentária líquida que financiará a programação de trabalho de 2014 será na ordem de R$19,4 bilhões, dos quais só R$17,4 bilhões se referem ao Poder Executivo. O restante irá para o TJE-PA, Alepa, MPE-PA, TCE-PA, TCM-PA, Defensoria Pública e outros órgãos independentes. Vale ressaltar, ainda, que a redução das transferências do FPE – Fundo de Participação dos Estados pode ser constatada ao se comparar o valor previsto na LOA de 2013, de cerca de R$4,4 bilhões, e a reestimativa de R$4,1 bilhões obtidos a partir de informações da Secretaria do Tesouro Nacional, com queda de 7% sobre os recursos inicialmente programados.

Trocando em miúdos: o Pará terá R$17,4 bilhões para 2014. Mas só a despesa com pessoal já cobre o limite de R$46,65%. Com os demais gastos em custeio, e mais o serviço da dívida, lá se vão mais 43% e, expurgando-se o efeito do refinanciamento e das amortizações, sobra pouco, muito pouco, para investimentos.

Num Estado continental, cujas maiores riquezas, traduzidas na lavra de minérios que contribuem em muito para a balança comercial brasileira mas deixam zero de imposto na exportação, e no fornecimento de energia elétrica a todo o País, em detrimento dos próprios municípios que só veem os cabos de alta tensão no ar e suportam todos os gravíssimos impactos sociais, étnicos e ambientais, e que para piorar ainda mais a situação não recebe a devida compensação prevista por lei e nunca garantida, essa dívida histórica da União precisa ser cobrada, com a ênfase e urgência que o caso requer.

Não se trata deste ou daquele governante ou partido político, todos têm responsabilidade. A barragem do rio Tocantins para a construção da UHE-Tucuruí foi iniciada em 24 de novembro de 1974. Lá se vão quase quarenta anos e a navegação
jamais foi restabelecida, malgrado o investimento de R$1,6 bilhão no Sistema de Transposição constituído por duas eclusas e um canal intermediário, que se arrastou durante trinta anos. Nas últimas quatro décadas, o Pará perdeu muito. Sem a chance de um corredor que, mais do que o transporte multimodal, significa desenvolvimento à medida em que a logística abre portas para uma infinidade de pequenos, médios e grandes negócios que poderiam erradicar a miséria em que vive boa parte da população, os paraenses estão condenados à estagnação, e ao mero fornecimento de matéria-prima ao mundo e de conforto às demais unidades federativas.

O silêncio dos representantes políticos é conivente com essa aberração. 

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *