Começou hoje (27) às 8h e segue até às 17h a votação nas prévias do PSDB para escolher seu candidato à Presidência da República. O resultado, se tudo correr bem, deve ser anunciado às 20h. O partido passou a semana…

Em uma aula prática da Faculdade de Medicina da Unifamaz, ontem, o professor Marcus Vinícius Henriques de Brito, visivelmente impaciente com a aluna que deveria demonstrar intubação em um boneco, questionou a falta de lubrificação prévia do paciente, ao que…

Na quarta-feira passada, dia 24, a audiência pública na Comissão de Direitos Humanos e Minorias da Câmara Federal, em Brasília, era para discutir a gravíssima situação na Terra Indígena Yanomami, mas o clima de enfrentamento entre bolsonaristas e lulistas inviabilizou…

O prefeito Edmilson Rodrigues anunciou que Belém tem condições de fazer o Carnaval 2022, após reunião hoje (25) à tarde com representantes das escolas de samba e blocos carnavalescos. Ele acredita que com mais de 80% de pessoas vacinadas contra…

O mercúrio nos rios amazônicos

O Instituto Nacional
de Pesquisas da Amazônia(Inpa) finaliza um interessante projeto de cooperação
científica, cuja área de atuação será nas bacias dos rios Negro e Madeira,
Tocantins, Branco e Tapajós,  na
vigilância toxicológica dos efeitos do mercúrio na saúde da população
ribeirinha, através do consumo de peixe e leite materno.
O mercúrio
presente nos peixes pode atacar o sistema nervoso central. Os sintomas são
tremores, perda de visão periférica, de olfato, de paladar e, em alguns casos,
levam à morte. A dinâmica está associada à expansão do setor hidrelétrico.
Já o mecanismo de
transferência do metal, que é neurotóxico, via leite materno, ainda é
desconhecido. Mas o potencial de toxidade nessa primeira fase da vida criança é
grande, alertam os pesquisadores.
UnB, USP, Unicamp, Unesp e PUC/Goiás
são parceiras do projeto, financiado pela Energia Sustentável do Brasil, por
meio do Programa de Pesquisa e Desenvolvimento da Agência Nacional de Energia
Elétrica (P&D/ANEEL).
A ideia é encontrar biomarcadores que possam
refletir alterações no ambiente em curto espaço de tempo e a partir daí criar
índices de vigilância a serem adotados em novos empreendimentos hidrelétricos na
região amazônica.

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *